Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Coates, a quarentena, a reação de Portugal à covid-19 e o futuro: "Estou bem no Sporting, mas nunca se sabe, o clube pode ter de vender"

O central uruguaio concedeu uma entrevista à rádio 1010, do seu país, na qual falou de um pouco de tudo: os dias de isolamento, dos treinos por videoconferência, de como os portugueses reagiram rápido à pandemia da covid-19 e de como, apesar de ninguém saber o futuro, se sente bem no Sporting

Tribuna Expresso

OZAN KOSE/Getty

Partilhar

O isolamento

"Pessoalmente, estou bem com a quarentena. A minha família está bem. É difícil não poder sair nem poder treinar, mas o mais importante é a saúde. Aqui em Portugal os números não são tão elevados como em Itália ou Espanha. São países que estão próximos e, com a experiência que tiveram, serviu para que aqui se fechassem rápido as fronteiras e as pessoas começam a ter consciência de que isto ia ser muito sério, que era preciso ficar em casa. Aqui, por exemplo, para ir ao supermercado, só vai uma pessoa da casa. As pessoas estão a cumprir".

Os treinos em casa

"Estou em casa e por sorte já tinha equipamento para treinar. O clube também esteve muito bem, porque deu equipamento a quem não tinha. Estamos a fazer exercícios para manter a forma física, exercícios que o clube nos deu, fazemos por videochamada. Não é o mesmo, naturalmente, mas dará para quando regressarmos. O mais complicado é não ter contacto com bola, a questão das distâncias, dos timings, coisas que se vão perdendo quando não tens treinos ou jogos. Espero que não se note muito quando voltarmos".

A temporada

"Não está a correr tão bem como em anos anteriores, ficámos fora das taças muito rapidamente e o campeonato é sempre difícil porque Benfica e FC Porto lutam entre eles. A ideia é terminar a liga, poder jogá-la até ao fim, mas isto é dia-a-dia, podes dar uma data para regressar, mas depende da evolução do vírus. Nós próprios vamos precisar de alguns dias para voltar a ganhar ritmo. O futebol é o menos importante, o importante é que as pessoas fiquem bem, que o país volte à normalidade".

Crescimento como jogador

"Quando cheguei à Europa era muito jovem, não tinha a experiência que tenho hoje. Agora se calhar tomo certas decisões em campo por já ter vivido algumas coisas. Acho que estou no melhor momento".

Futuro no Sporting

"Neste momento estou a jogar e isso é importante para mim. No futebol muita coisa muda e nunca sabemos o que pode acontecer no futuro. Mas neste momento estou muito cómodo no Sporting, estou já há algum tempo no clube, Portugal também sempre me tratou bem, a mim e à minha família. Não penso mudar, mas nunca se sabe, o clube pode precisar de vender".