Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Em Alvalade ainda não há fome nem fartura

Apesar da exibição pouco incisiva, o Sporting conseguiu vencer o Paços de Ferreira, com um golão marcado por Jovane Cabral, de livre direto, já na 2ª parte. Depois, só deu Paços, mas a equipa de Pepa não conseguiu chegar ao empate, muito graças a Max

tribuna expresso

Carlos Rodrigues

Partilhar

Na conferência de imprensa de antevisão do Sporting-Paços de Ferreira, Rúben Amorim foi questionado sobre Mathieu, cujo contrato está a terminar. Ficará em Alvalade na próxima época? A resposta foi algo enigmática. "É muito importante ter fome, é muito importante querer ficar no Sporting. Não vou pedir a ninguém para ficar no Sporting. Quero é gente comprometida. Estou contente com eles."

Parecia ser uma mensagem para o plantel, mas, aparentemente, seria também uma mensagem direta para o central francês de 36 anos, que ficou de fora do jogo desta noite, por opção, segundo esclareceu o Sporting.

A possível falta de "fome" de Mathieu não será, no entanto, caso único em Alvalade, a avaliar pelo jogo plácido que protagonizou a equipa de Rúben Amorim frente ao Paços. Também com Wendel a titular - Battaglia lesionou-se -, ao lado de Matheus Nunes - a quem o treinador já tinha garantido a titularidade -, o Sporting teve muitas dificuldades em construir jogadas de ataque e chegar com perigo à área adversária, perante um Paços muito focado em pressionar desde logo a saída de bola do anfitrião.

Assim sendo, ao longo de 45 minutos, houve apenas uma única ocasião de golo: depois de um combinação pelo lado direito, Vietto - claramente o homem mais diferenciado da noite no Sporting (Wendel só apareceu a espaços) - isolou Sporar em profundidade, mas, à chegada à baliza adversária, o avançado atirou ao lado.

Já perto do intervalo, más notícias para o Sporting: Vietto teve de sair lesionado, depois de cair mal sobre o próprio ombro, e deu lugar a Plata - que, por sua vez, pouco deu ao jogo nos 45 minutos seguintes.

Na 2ª parte, o jogo começou a ter mais proximidade das balizas, já que ambas as equipas começaram a dar mais espaço uma à outra e foi aí que apareceu um dos homens que mais "fome" tem demonstrado no Sporting: Jovane Cabral.

Com espaço para correr, como ele gosta, o extremo foi criando perigo, até protagonizar o momento da noite, aos 64 minutos: um golão de livre direto ao ângulo.

Se o golo poderia ter trazido mais ímpeto ao Sporting, aconteceu precisamente o contrário: foi o Paços, a partir daí, a tomar conta do jogo, também fruto das substituições de Pepa, que fez entrar Luiz Carlos e Stephen Eustáquio.

João Amaral apareceu isolado na cara de Max, mas rematou para defesa do guarda-redes, antes de cair, com Borja no encalço. O árbitro Rui Costa marcou penálti, mas voltou atrás na decisão depois de ser corrigido pelo VAR.

Depois disso, só deu Paços, com Maximiano a segurar os três pontos, defendendo um livre direto de Luiz Carlos, a recarga subsequente e, pouco depois, um cruzamento/remate, antes de uma saída que valeu ao guarda-redes um valente encontrão com Douglas Tanque.

Já nos descontos, Jovane voltou a aparecer: corrida, remate forte e bola à trave. 1-0 para o Sporting, muito graças à "fome" de Jovane - e às defesas de Max. Para já, serve de aperitivo.