Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Parabéns ao (novo) Sporting

No dia do 114º aniversário do clube, o Sporting de Rúben Amorim venceu o Gil Vicente, por 2-1, reforçou o 3º lugar (e manteve a perseguição ao 2º...) e ainda estreou mais dois jovens na equipa principal

tribuna expresso

NurPhoto

Partilhar

No dia em que completou 114 anos, o Sporting entrou em campo com Damas, Jordão, Balakov, Manuel Fernandes, Ronaldo... era bom, não era? Os jogadores eram, na verdade, os mesmos de sempre, mas os nomes nas camisolas eram outros: os de antigas glórias do clube, em jeito de homenagem no dia de aniversário.

A ideia ajusta-se ao que parece estar a tornar-se este novo Sporting: no... antigo Sporting, aquele que vivia menos instável e com mais vitórias. Desde que Rúben Amorim chegou a Alvalade, já lá vão seis jogos, a equipa ainda não perdeu - e ganhou cinco deles - e, mais do que isso, parece estar a crescer de jogo para jogo, demonstrando até mais maturidade do que seria expectável, dada a idade média dos jogadores que entram em campo (e hoje até houve mais duas estreias).

Esta noite, a única novidade no onze de Amorim foi Camacho que, depois de ter sido lateral e de ter perdido o lugar para Ristovski, voltou às origens, ou seja, a extremo, dado que o habitual titular, Jovane Cabral, está a recuperar de lesão, tal como Francisco Geraldes, que entrou para substituir Jovane ao intervalo do último jogo, frente ao Belenenses SAD.

De resto, o 3-4-3 do Sporting manteve-se - Max, Quaresma, Coates, Borja, Ristovski, Matheus, Wendel, Nuno Mendes, Plata, Sporar e Camacho - e rapidamente entrou em campo a dominar o jogo. Trocando bem a bola a partir de trás, ia chegando perto da baliza do Gil Vicente, mas sem criar grande perigo.

Os primeiros sinais de alerta surgiram num canto, quando Sporar falhou o desvio para a baliza, já na pequena área, e num remate de longe de Wendel. Depois, aos 21', após um contra ataque rápido e uma arrancada de Plata pela direita, Wendel acertou em cheio no cruzamento atrasado do colega e fez o 1-0.

O golo teve o condão de acordar, por assim dizer, a equipa de Vítor Oliveira, que chegou à área contrária pela primeira vez aos 27', e logo com um golo - só que Sandro Lima estava em fora de jogo.

O Gil começava a subir mais no campo e Yves Baraye permitiu a Max - hoje Damas - realizar a defesa da noite, a desviar uma bola que parecia ir para golo.

Já em cima do intervalo, Plata ia ficando isolado a meio do meio-campo do Gil, mas, com um toque estranho, quis voltar para trás e perdeu a oportunidade de se dirigir para a baliza.

À entrada para a segunda parte, novo momento exasperante para os sportinguistas: após excelente combinação com Plata, Wendel (de longe os dois mais ativos da equipa esta noite) surgiu completamente isolado na área, mas permitiu a defesa de Denis e enviou a recarga, de cabeça, para fora.

Felizmente para o Sporting, Plata não imitou o colega poucos minutos depois: aproveitando um péssimo passe de Claude Gonçalves para recuperar a bola junto à área do Gil, rematou para o 2-0.

Tal como tinha acontecido após o 1-0, após o 2-0 começou a haver mais Gil, com o domínio a parecer algo consentido pelo Sporting, que se ia resguardando mais atrás a procurando sair rápido para o ataque.

À falta de mais soluções, perante a noite pouco inspirada de Camacho, Amorim colocou em campo Doumbia e desviou Matheus para extremo, e começava a ser percetível algum desconforto da equipa perante a pressão do Gil - Rúben Ribeiro quase marcava num canto direto que Max defendeu.

Os últimos minutos serviram para refrescar uma equipa que já parece ter as pernas pesadas: Wendel e Matheus saíram, Tiago Tomás e Battaglia entraram. O primeiro, avançado, fez a estreia pela equipa principal, aos 18 anos, e o segundo, já habituado a estas andanças, quase marcava num remate à entrada da área.

Aos 87', Vítor Oliveira fez entrar Hugo Vieira, por Sandro Lima, e a mudança teve impacto imediato, com o avançado a ganhar um penálti, após derrube de Doumbia. Rúben Ribeiro, ex-jogador do Sporting, fez o 2-1.

Por fim, a fechar o jogo, Amorim estreou então mais um jovem, este ainda com 17 anos: Joelson, extremo que entrou e assumiu imediatamente a cobrança de um livre direto. A bola foi para fora, mas a confiança do miúdo parece ser transversal a este novo velho Sporting - agora mais confortável no 3º lugar, com 55 pontos, mais cinco do que o Braga, 4º classificado, e menos nove do que o Benfica, 2º classificado.