Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Sporting

Rúben Amorim: "Ainda não somos aquela equipa que pode relaxar e ganhar jogos por termos essa capacidade de jogar mal e ganhar"

Em longa conferência de imprensa de antevisão ao jogo com o Famalicão (sábado, 18h, Sport TV1), o treinador do Sporting analisou o momento da equipa, discursou sobre Pedro Gonçalves, elogiou a dupla Palhinha-João Mário, garantiu que Sporar "está com fome" e será titular, e deixou uma consideração sobre trabalhar com jovens e dar-lhes tempo para crescerem: "temos de aceitar o ritmo de cada um e ajudá-los a serem melhores no dia de amanhã"

Tribuna Expresso

Pedro Zenkl/Sporting

Partilhar

O Famalicão desta época

"São vítimas do sucesso deles, fizeram uma grande equipa o ano passado com gente muito jovem, acho que este ano ainda são mais jovens. Têm gente com muito talento, nós conhecemos alguns, são jogadores referenciados e isso faz parte do projeto do Famalicão: fazer equipas, criar mais-valias e voltar a formar outra vez o plantel.

Mas não deixa de ser uma excelente equipa que está agora no início, com um excelente treinador que acabou de renovar contrato e isso revela muita da confiança do clube e dos próprios jogadores. Sabendo que é uma equipa com talento, jovem, que vai jogar contra o 1.º classificado e com pouca responsabilidade no jogo, depende muito da equipa do Sporting o que será o jogo também. Não podemos dar muita liberdade àqueles jogadores, porque se estiverem num dia bom vão-nos criar muitas dificuldades. Queremos deixá-los desconfortáveis no jogo.

Ainda não somos aquela equipa que pode relaxar e ganhar jogos por termos essa capacidade de jogar mal e ganhar. Já aconteceu uma ou outra vez este ano, mas somos uma equipa que tem de jogar muito bem para ganhar os jogos e é isso que queremos fazer. Chegaremos a essa altura, até pode ser amanhã [sábado], mas temos de encarar isso com naturalidade. Temos de jogar bem para vencermos os nossos jogos, é isso que temos feito e, mesmo assim, tem sido muito difícil."

Sporting perdeu duas vezes com o Famalicão na época passada

"O que mudou foi o momento das duas equipas, também a estrutura dos plantéis. Estamos em momentos diferentes e o futebol é mesmo assim. Este ano queremos mudar a história dos nossos jogos e esperamos começar amanhã [sábado] com uma vitória para, na segunda volta, fazermos o que o Famalicão fez ao Sporting."

Pediu conselhos a Pedro Gonçalves?

"Não lhe perguntámos nada de mais. O que ele tem de fazer não é nem mais, nem menos, do que tem vindo a fazer. Será um jogo especial para ele, mas, dentro de campo, tem de se focar no que tem de fazer: quando não tem a bola, pressionar, e quando a tem, fazer aquilo que sabe melhor e ajudar os colegas. Se puder voltar a marcar, seria bem-vindo.

É um excelente jogador, mas um miúdo ainda, precisa de melhorar em certos aspetos e vai melhorar, mas tem uma maturidade muito elevada para a idade que tem porque também já tem alguma experiência, com 22 anos já jogou em Espanha e em Inglaterra, mas não podemos esquecer que é apenas a sua segunda época na I Liga. É um jogador bastante completo, mas tem de melhorar em outros momentos do jogo e em várias situações. Tenho um percurso curto enquanto treinador, mas já tive excelentes jogadores nas minhas equipas, o que me facilitou muito o trabalho."

Em que tipo de equipas o Sporting encaixa melhor?

"O Famalicão é uma equipa que joga de olhos no olhos com os grandes, a meu ver mais na parte ofensiva, porque na defensiva também jogam um pouco em bloco baixo como algumas equipas que já apanhámos. Na parte ofensiva arriscam, têm as suas rotinas, por isso é que acho que vão melhorar com o tempo por terem talento e, claramente, uma ideia.

Mas, por exemplo, contra o Moreirense, na primeira jogada do jogo o Pedro Gonçalves quase se isola e, na segunda, o João Mário vai na direita com o Nuno Santos completamente aberto na esquerda. O que temos de ter em mente é que temos de entrar muito fortes e não dar espaço ao Famalicão, temos de marcar cedo, porque quando marcamos antes do adversários tornamo-nos muito perigosos porque entendemos bem dois momentos do jogo - ataque organizado e transições. Aí sentimo-nos confortáveis por termos duas maneiras de jogar.

Quando temos uma equipa que marca primeira, ou demoramos mais tempo a marcar, mantemos a nossa ideia e isso notou-se contra o Moreirense. Torna-se um jogo mais difícil, como se torna contra qualquer equipa em Portugal ou no mundo."

As lesões e a evolução de Nuno Mendes

"O Jovane e o Nuno estão fora do jogo, assim como o Plata. Quanto ao crescimento do Nuno, foi muito rápido e aqui e ali nota-se isso, fez grandes exibições e depois surge um ou outro jogo menos conseguido, também pela fasquia que colocou nas suas exibições. Mas vamos sentir isso durante a época em alguns jogadores, faz parte do crescimento e, de facto, nós saltámos algumas etapas.

Em relação a poder perder o Nuno Mendes, não tenho medo de nada porque todos os miúdos estão blindados e quem quiser os jogadores do Sporting vai ter de pagar muito dinheiro. A nossa situação não melhorou por estarmos em 1.º lugar, sabemos da situação do clube, mas não vai ser fácil tirar os jovens jogadores do Sporting."

As críticas dos rivais às arbitragens

"Sempre tivemos focados nos nossos jogos e não ligamos ao que vem de outros lados, só vemos verde. Mas isso faz parte das dores de crescimento: quanto mais o Sporting crescer, mais problemas desses vamos ter, nós - equipa técnica e estrutura - estamos preparados para isso. Temos de manter o foco no que realmente interessa, que é ganhar ao Famalicão, pois todos os jogos são difíceis."

O que será uma boa temporada do Sporting?

"O nosso objetivo mínimo é vencer todos os jogos e direi que somos candidatos ao títulos quando isso for bom e o melhor para a equipa. Estive em plantéis diferentes, momentos diferentes, o nível, em termos de maturidade, era completamente diferente. O que falta é chegar à última jornada com vantagem de pontos e ganhar. O futebol é assim."

Hipótese de passar o Natal na liderança

"Só quero estar na próxima jornada na frente. Neste momento, se ganharmos ficamos mais duas semanas. Este ano parece que nem há Natal, vamos estar a trabalhar, por acaso dei o dia de Natal aos jogadores, mas não é muito importante, vale o que vale, sabemos dessas brincadeiras mas o nosso foco é vencer todos os jogos até ao Natal, depois será vencer todos os jogos até à Páscoa e, depois, vamos até ao próximo momento religioso, digamos assim. O objetivo desta semana é o Famalicão e na próxima será outro."

A dupla João Mário e Palhinha

"É a melhor em ex aequo com o Dani [Bragança] e o Matheus [Nunes]. São as minhas duas melhores duplas do campeonato. Se eu jogava nesta equipa? Comigo como treinador, não jogava, nem estava no plantel."

Ainda sobre o papel de Palhinha

"Tem características diferentes, dá-nos coisas diferentes, é muito importante para a nossa equipa. É muito forte fisicamente e, tendo um meio-campo tão ofensivo, temos de ter um jogador com aquela capacidade de recuperação de bolas, aquele posicionamento e com aquela força física. É algo que nasceu com o João e os números assim o dizem. Estamos muito felizes com ele."

O que se passa com Eduardo Quaresma?

"Faz parte do crescimento dos jogadores, cada um tem o seu momento, na época passada teve um e depois baixou um bocadinho, teve lesões, teve covid e agora está a demorar a voltar ao seu nível. Faz parte também da nossa responsabilidade, enquanto equipa técnica, o que é jogar no Sporting. Temos de os relembrar que isto é uma grande responsabilidade e também uma grande dádiva, porque jogar no Sporting não é fácil, então com 18 anos... Eles são juniores, às vezes esquecemo-nos disso.

O Quaresma não vai a lado nenhum, o Quaresma é uma aposta do Sporting e leva tempo. Está muito nas mãos dele - e do Tiago Tomás, do Daniel Bragança e todos - de provar que pode jogar. Todos vivem fases, nesta o Quaresma está mais em baixo, se for preciso vai jogar na equipa B, mas quero estes jogadores ao pé de nós para crescerem, leve o tempo que demorar. Temos de aceitar o ritmo de cada um e ajudá-los a serem melhores no dia de amanhã."

E Sporar

"Foi muito falado numa fase em que não jogava, quando apostávamos no Jovane. E não é por agora não estar a marcar que o vamos tirar. Está a fazer os movimentos dele, a trabalhar muito para a equipa e, às vezes, a ligação entre os que têm jogado mais - Nuno Santos, Pote e Sporar -, se não é ele que está a marcar, são os outros, o que é sinal que têm uma boa ligação.

Sei que ele vive de golos, chateado está ele, mas o que interessa é a equipa marcar. Eu estou muito feliz porque a equipa continua a marcar, mas há que dar tempo. Quando o Sporar ou outro jogador tiver de sair da equipa é porque entendemos que ele, ou outro, não está a ser a melhor ajuda naquele momento. Ele está com muita fome e, neste jogo, vai ser o Sporar e mais 10."