Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Frederico Varandas: "Para uns, não venceram porque foram o único clube do Mundo a sofrer covid-19, outros porque tiveram apenas 16 penáltis"

Presidente do Sporting ao ataque na receção da equipa campeã nacional na Câmara Municipal de Lisboa, esta quinta-feira, com palavras duras para os rivais, metáforas militares e sublinhando que esta foi uma vitória dos que não abdicam da "honra, decência e nobreza"

Tribuna Expresso

ANDRÉ KOSTERS/Lusa

Partilhar

As receções aos campeões nacionais na Câmara Municipal de Lisboa costumam ser acompanhadas de um banho de multidão, mas desta vez o público esteve em número muito reduzido na Praça do Município, onde Fernando Medina recebeu a equipa do Sporting, staff e o presidente Frederico Varandas.

E com um microfone à frente, Varandas disparou contra rivais, contra quem criticou os festejos na última semana, deixou elogios a Rúben Amorim, ao capitão Coates e a Hugo Viana, pedido a união dos sócios e frisando que esta é uma vitória dos "do bem".

Rivais

"As nossa primeiras palavras vão para os nossos rivais, os nossos dois rivais, foram duros dentro de campo e adversários difíceis, acreditaram até ao fim. Graças a eles superamo-nos a cada jornada, batemos recordes atrás de recordes. Sem eles não teríamos chegado aqui. Seria uma justiça confundir duas grandes instituições com pessoas que representam essas duas instituições. Cada um tem a sua estratégia. Para uns, não venceram porque foram o único clube do mundo a sofrer covid-19, para outros porque tiveram apenas 16 penáltis. Mas eles sabem, todos sabem que o Sporting venceu porque foi mais competente"

Festejos

"Ouvi alguém dizer que tinha sido um espectáculo degradante as festas em Lisboa. Não concordo. É verdade que houve excessos impossíveis de conter, tal a dimensão do clube, a dimensão de sentimentos que carregava este título que nos fugia há 19 anos. Mas para mim degradante é estar envolto em escutas de corrupção há anos e anos"

Conquista

"Estão aqui os heróis. Há que recordar o mérito desta conquista. É importante não esquecer que partimos para esta luta com cerca de 50% do orçamento dos nossos rivais, com cerca de 25% de investimento de um dos nossos rivais. Conseguimos graças a estes senhores aqui atrás de mim, graças a esta equipa técnica. Foram muito competentes, resilientes, tiveram muito coração. Estamos aqui a festejar uma vitória que teve início há cerca de três anos, em que não podíamos vencer com base no dinheiro e da força, mas sim da inteligência. Mas teve de ser inteligência com muita resiliência, convicção e sem ceder ao populismo e ao ruído que vem do exterior"

Momento difícil

"A seguir a esta equipa ter sofrido dois empates, Famalicão e Belenenses SAD, com a vantagem reduzida para 4 pontos para um dos nossos rivais, nesse momento nós sentimos “lá vamos nós sofrer outra vez, lá vamos desiludir outra vez”. E eu pela primeira vez escrevi à minha equipa do conselho diretivo a dizer que íamos ser campeões. Não por termos o melhor treinador, não por termos a melhor equipa, por termos jovens talentos, mas sobretudo porque mudámos a mentalidade de Sporting para uma mentalidade vencedora. Se eu senti medo naquele momento de morrer na praia? Senti. Se eu perguntar ao treinador? Sentimos todos. Mas ter coragem não é não ter medo, é não ceder ao medo. E aqui peço a todos os adeptos do Sporting, sócios, nas adversidades que vamos sentir para o ano, faz parte, mas nessa altura nunca mostrem medo aos nossos jogadores, muito menos aos nossos adversários. Soframos juntos"

Rúben Amorim

“Neste grupo, eu não gosto de individualizar, mas tenho de fazer esta distinção e tenho de começar pelo nosso treinador. É daquelas pessoas que do ponto de vista técnico acho que já toda a gente se rendeu, mas acima de tudo gostava que ele fosse bem tratado por este país. Tantos clubes que adorariam que o Rúben Amorim fosse da sua nacionalidade. Mas é português. E é o treinador do Sporting Clube de Portugal. Ele tem uma qualidade, as pessoas sentem que ele tem uma energia positiva, é uma lufada de ar fresco no nosso futebol. Portanto saibamos tratá-lo bem e retê-lo aqui. Estou cansado de ver este filme de inveja, de o tratar mal, mas depois quando vão para fora são os melhores. É um grande treinador de futebol”

Coates, o grupo e Hugo Viana

“Tenho de cumprimentar o nosso capitão. Sobre ele só tenho uma coisa a dizer: respeito, muito respeito. O restante grupo… estou aqui a olhar para meninos de 18 anos e tiveram de crescer à força e tornarem-se homens. E depois vejo homens que jogam com a alegria de miúdos. Essa mistura foi algo fantástico e impagável. Muito obrigada a todos vocês. É também de inteira justiça uma palavra para o nosso diretor desportivo, Hugo Viana. Foi um pilar indispensável neste título, sem ele não teríamos conseguido. Sempre humilde, discreto, leal, competente, calmo - em cerca de 90% das situações - mas sempre dando uma palavra certa a jovens jogadores porque da última vez que fomos recebidos aqui ele também estava qui enquanto jogador”

Sócios

“Estes senhores aqui atrás foram um batalhão que tomou de assalto o futebol português, com o seu comandante de companhia a liderar. Ganhámos a guerra. Estamos no lugar onde queremos estar, mas os nossos rivais são fortes, são muito fortes e vão querer tirar-nos daqui, legitimamente. Agora mais difícil vai ser manter. Este pelotão e este comandante vão precisar de reforços, precisamos da cavalaria, da artilharia, da força aérea, da marinha, vamos precisar de todos os leões. O Sporting vai precisar do sócio anónimo do núcleo de Pemba, do anónimo do Diretivo Ultra XXI, do sócio anónimo do grupo Stromp, do núcleo de Vendas Novas, da Torcida Verde, da Juventude Leonina, do núcleo do Seixal e dos Leões de Portugal. A missão de todos é servir o Sporting Clube de Portugal e não o contrário”

Vitória para lá do campo

“A vitória do Sporting vai muito para lá do campo desportivo. Quando ainda hoje acordamos e vamos mais notícias de suspeição, de corrupção, não só no futebol, é transversal. Esta vitoria é uma luz ao fundo do túnel, uma esperança e um alento para muita gente. Hoje é daqueles dias em que os avós, os pais, podem chegar a casa e dizer aos seus netos e filhos que os do bem também têm força, também têm coragem, resiliência. E sobretudo que também ganham. Que é possível vencer sem abdicar da honra, da decência e da nobreza do desportivismo. Isto é Sporting Clube de Portugal”