Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

João Mário e o interesse do Benfica: pagamento de 30 milhões ao Sporting só caso o Inter não dê dois dias úteis aos leões para igualar

Inter é obrigado a informar o Sporting caso receba alguma proposta por João Mário de um clube português e o Sporting tem dois dias úteis para, se quiser, igualar a proposta. Cumprindo estes pressupostos, os italianos não terão de pagar uma compensação de 30 milhões de euros ao leões

Lídia Paralta Gomes

Carlos Rodrigues

Partilhar

As negociações entre Sporting e Inter de Milão para a transferência de João Mário estão há muito paradas e o médio é agora alvo do interesse do Benfica. De acordo com a edição desta sexta-feira do jornal “Record”, o grande entrave à transferência poderia estar numa suposta cláusula anti-rivais que está no contrato do jogador com o Inter, que seria obrigado a pagar 30 milhões de euros ao Sporting caso transferisse o médio para uma equipa do campeonato português.

Essa cláusula é, na verdade, um direito de preferência: caso receba uma proposta por João Mário vinda de um clube português, seja para empréstimo como para venda em definitivo, o Inter terá de informar o Sporting no prazo de dois dias úteis (ou duas horas, caso a proposta chegue no último dia de uma janela de transferência). Os leões terão então a hipótese de igualar a proposta. Caso optem por não o fazer, o Inter fica livre para vender o jogador a outro emblema português, tendo a vontade do jogador, naturalmente, peso na decisão.

Depois de ter acesso parcial ao contrato onde estão descritos estes pontos, Gonçalo Almeida, advogado especialista em direito desportivo, sublinha à Tribuna Expresso que “em caso de incumprimento por parte do Inter de Milão em não dar a conhecer os termos de uma proposta ou não concedendo dois dias à Sporting SAD para igualar esses mesmos termos, aí sim o Inter incorre no risco de vir a ser julgado responsável para pagar uma indemnização”, os tais 30 milhões de euros que estão no contrato, estando em causa um direito de preferência e não uma cláusula anti-rivais.

O advogado diz ainda que caso o Inter tenha, de facto, uma proposta de outro clube português e falhe os pressupostos do acordado com o Sporting, o indemnização a pagar aos leões poderá até ser substancialmente reduzida.

“Se o Sporting intentasse uma ação junto da FIFA seguramente que este valor seria reduzido. Isto é uma clausula penal, que em caso de incumprimento visa compensar e FIFA socorre-se da legislação suíça, que se agarra muito à questão dos danos. O Sporting teria de provar, não só por essa via, mas também por essa via, que havia danos. Não provando danos o valor seria substancialmente reduzido. O que não quer dizer que não tivesse direito a uma compensação, que teria, mas os 30 milhões são exagerados”, frisa Gonçalo Almeida.

Médio não descarta Benfica

Caso uma proposta concreta apareça, João Mário não descarta a possibilidade de jogar no Benfica, o que seria um reencontro com Jorge Jesus, que o treinou em 2015/2016 no Sporting. Até porque o jogador não terá ficado agradado com a forma como os leões lidaram com o processo durante o defeso, depois de sublinhar que a sua primeira opção seria sempre ficar em Alvalade e estando até disposto a fazer um ajuste ao ordenado para regressar.

Os contactos com o Inter terão terminado depois dos milaneses não aceitarem uma proposta de 3 milhões de euros + 2 milhões por objetivos e da parte do Sporting não terá havido contactos com o jogador.

João Mário terá sido alvo do interesse do Nice, Villarreal, Besiktas e do Spartak Moscovo, este último o único a apresentar uma proposta mais concreta mas que o jogador recusou por não querer voltar à Rússia, depois de ter representado o Lokomotiv em 2019/20.