Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Sporting
Blessing Lumueno

Blessing Lumueno

Treinador de futebol

O hábito faz o monge. A análise ao que correu mal para o Sporting ser atormentado pelo som da bola nos pés dos jogadores do Ajax

O Ajax joga, do ponto de vista ofensivo, de uma forma que o Sporting nunca defrontou. Houve, aos soluços, nas competições internas, adversários que foram fazendo aparecer o ponto mais frágil da organização defensiva no modelo de jogo de Rúben Amorim: o espaço nas costas da primeira linha de pressão. E como não é uma regularidade, analisa o treinador Blessing Lumueno, os jogadores do Sporting sentiram muita dificuldade para controlar e contrariar uma equipa que sabe o que fazer quando a bola entra no corredor central

Blessing Lumueno

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Partilhar

Há vários fatores que concorrem para explicar o surpreendente resultado do Ajax em Alvalade, mas nenhum deles me parece contribuir mais do que os hábitos que as equipas adquirem, tendo em conta o contexto em que se inserem. José Mourinho foi o primeiro treinador que ouvi a falar disto: “os homens são animais de hábitos”. E esse é o ponto de partida da minha análise ao jogo de quarta-feira.

É, aliás, essa a motivação mais forte dos treinadores para vincarem a identidade de uma equipa, por saberem que com o treino, e com o jogo, os jogadores ficam mais propensos a adotarem determinados comportamentos do que outros. Ficam mais treinadores a darem foco a certos estímulos do que a outros, e ficam mais autónomos a resolver problemas com uma forma de ação treinada coletiva, e individualmente. E mais perdidos quando os problemas que lhes colocam são diferentes.

O Sporting vem de uma época tremenda, cheia de sucesso, e isso ajuda a vincar determinados comportamentos e a ignorar outros. Os argumentos individuais e coletivos, que levaram o Sporting a ser campeão, timbraram nos seus jogadores uma determinada matriz comportamental difícil de fugir. Por mais que o treino seja orientado, numa determinada semana, para alterar alguns comportamentos, é difícil que tal aconteça se não houver nos jogos quem faça aparecer essas nuances trabalhadas nos treinos. Porque o melhor treino, onde os jogadores realmente adquirem os comportamentos individuais e coletivos que o treinador trabalha, é o jogo.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • Choque milionário com a realidade
    Sporting

    O regresso da Liga dos Campeões a Alvalade foi um pesadelo para o Sporting, que foi goleado (5-1) pelo Ajax numa noite em que tudo correu mal. A equipa de Amorim sofreu dois golos nos primeiros 10 minutos, ainda reduziu por Paulinho, mas uma exibição em cheio de Haller (autor de um póquer), a qualidade de Antony e as fragilidades defensivas e inexperiência do Sporting deitaram tudo a perder

  • Face aos nervos de Rúben Vinagre, foi de admirar não estar sempre alguém ao lado a segurar um balde para que o jogador pudesse vomitar
    Diogo Faro

    A derrota estrondosa do Sporting frente ao Ajax, em Alvalade, fez Diogo Faro ter saudades de todos aqueles anos em que o clube não ia à Liga dos Campeões, o que ficou visível na sua análise humorística à goleada, na qual ainda viu Paulinho quase a tornar-se Paulão e a enorme experiência de Sarabia na Champions, que "só ainda não tinha experienciado levar cinco desta maneira"