Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Sporting

Rúben Amorim: "Temos de seguir o projeto que tínhamos pensado, doa a quem doer. Vamos seguir este caminho"

Na conferência de imprensa de antevisão ao jogo contra o Estoril (domingo, dia 19, 20:30h, SporTV1), o treinador do Sporting admitiu que a derrota contra o Ajax "foi uma pancada forte", mas que não "há nada melhor do que um jogo" para dar a volta à situação. E, sobre a hipótese de comprar um central em janeiro, voltou a frisar que "o nosso projeto passa pela formação, por levantar o clube em todos os aspetos e seguir um caminho"

Tribuna Expresso

DeFodi Images/Getty

Partilhar

Derrota pesada na Liga dos Campeões pode ter impacto no campeonato?
“Não sei qual vai ser a reação. Foi uma pancada muito forte, não vale a pena andar aqui à volta do assunto. É normal, até porque, numa equipa que tem um espírito como o nosso, é normal que se sinta no ambiente. Mas nada melhor do que um jogo agora. O foco desta semana foi vermos aquilo que temos de fazer. Olhámos para o Estoril, mas olhámos muito para a nossa equipa, porque podemos estar aqui com todas as psicologias e todas as teorias, mas o melhor é nós, passo a passo e durante o treino, mostrarmos como é que pressionamos, como é que trabalhamos a bola, como é que saímos em construção. E esse foi o grande foco, mais até do que o Estoril. A preparação, nos poucos dias que tivemos, foi muito naquilo que temos de fazer, porque isso é que dá segurança aos jogadores, mais do que nós estarmos aqui com grandes conversas com eles. É mostrar que nós somos uma excelente equipa e porquê. Foi esse o foco. Vamos estar preparados para o jogo e depois da bola rolar tudo se esquece.”

Quanto é que doeu a derrota contra o Ajax?
"Doeu a toda a gente. Doeu aos jogadores, à equipa técnica, aos adeptos, porque a expectativa é sempre muito grande, eles confiam muito na equipa, eu confio muito nos jogadores, eles confiam muito em mim. Fomos claramente de peito aberto e estamos sempre a aprender. Faz parte e volto a dizer: numa equipa que sente o jogo como a nossa sente, nós não podemos ter os dois lados da mesma moeda. Quem sente muito, quem vive muito o jogo, quem é muito unido, depois quando levam estas pancadas, sente-se bastante. Mas pode-se sempre dar a volta."

Já pensa em comprar um central em janeiro?
"Em relação aos centrais, eu disse o que disse porque sei o projeto em que estamos inseridos. Eu não sei o que vai ser da minha carreira, se calhar depois estarei noutro clube qualquer que terá outra ideia e outro projeto. O nosso projeto passa pela formação, por levantar o clube em todos os aspetos e seguir um caminho. E por isso é que, desde o ano passado, começámos a dizer que havia um projeto e que ir à Liga dos Campeões não pode mudar nada e para mim isso seria muito perigoso. O que nós temos de fazer é seguir o projeto que tínhamos pensado, doa a quem doer. Eu sei bem o clube em que estou, sei da ideia que há e é esse o caminho que vamos seguir."

Receia a resposta que a equipa dará depois de uma derrota dura?
"Eu não tenho receio, o que eu quero é que a equipa apresente a mesma identidade que tem tido. E isso às vezes também depende dos primeiros momentos do jogo, veja-se o que aconteceu com o Ajax. O que eu quero é que eles sintam confiança no processo e do que eu vi durante a semana, vi que sim. Portanto, eu não receio nada. Acho que a equipa está claramente preparada, soube o que fez mal. Usámos o jogo do Famalicão para preparar este, porque o Estoril também defende, às vezes, com cinco defesas, baixando um médio defensivo. Ao invés de estarmos a tentar perceber o momento psicológico em que eles estão, damos as armas para os jogadores estarem preparados para o que acontecerá no jogo e depois o jogo ditará coisas para as quais eles estarão preparados. E a seguir ao árbitro apitar, tudo se esquece. Nada melhor do que um jogo para dar a volta por cima a estes momentos

Hipóteses de Sarabia ser titular pela primeira vez
"É mais uma opção, poderá jogar, vamos ver."

Disse aos jogadores para reverem o jogo?
"Eu disse aos jogadores para reverem o jogo, verem onde falharam, sem som, porque é mais fácil, porque por mais que nós digamos que não somos influenciados, somos sempre, para um lado ou para o outro. E, portanto, disse-lhes para verem o jogo, eles fizeram-no, falámos sobre isso. E nada mais que isso. Foi um resultado muito mau, havia muita expectativa, mas o mais importante agora é o campeonato."

Críticas que surgiram depois da derrota contra o Ajax
"Eu não leio, não sei das críticas, mas é normal. Uma equipa que perde 5-1 e joga num clube grande tem de estar habituados a essas críticas."

Na formação do Sporting, que centrais estão mais preparados para dar o salto?
"O Inácio, quando surgiu na equipa principal, era suplente, e às vezes como defesa esquerdo, nos sub-23 e até nos sub-19. Portanto, há jogadores aqui que surpreendem. Claro que nós fazemos a nossa avaliação, mas nestas idades vai mudando muito o que acontece. E o dia de amanhã pode não ser com três centrais. Contra o Ajax falaram-me em baixar um jogador da frente para o meio-campo, e o que eu senti depois do jogo contra o Ajax é que devíamos tirar um dos defesas para pressionar mais na frente. São várias ideias, o futebol vai evoluindo, eu vou vendo os outros treinadores que sabem muito mais do que eu, como foi o caso neste jogo. Nós vamos tirando ideias porque não sabemos o dia de amanhã. O que eu sei é que o Sporting tem estas condições, este é o projeto, isso é a única coisa que não muda. A ideia do treinador ou os miúdos que sobem muda consoante o dia a dia. Em relação à formação, todos os que derem bons sinais e, no momento certo de subirem à equipa, corresponderem, terão oportunidade na equipa principal.

Neto acaba contrato. Acha que deve renovar?
"É muito cedo para falar da próxima época. Estamos muito contentes com o Neto. Quando eu cheguei, o Neto foi para o banco, depois ganhou a titularidade, depois perdeu para o Inácio, depois voltou. O Neto é o exemplo do que deve ser um jogador, de acreditar sempre que pode jogar e ele sabe que com o treinador pode sempre dar a volta. Em relação ao Neto, é jogador do Sporting, estamos muito felizes com ele e ele é um exemplo dentro do balneário."

Condição física de Inácio, Pote e Tiago Tomás
“O Tiago Tomás entrou na última partida, não teve nenhuma recaída e está pronto para ir a jogo. O Inácio não está, nem me parece que que esteja no próximo, ainda vai demorar um bocadinho, tal como o Pote. Não quero estar a fazer de médico, mas o Pote ainda nem começou no campo e nós temos muito cuidado com os jogadores e não aceleramos nada porque são miúdos muito novos e nós vivemos deles. Mais uma vez, o projeto manda e nós precisamos que eles estejam no seu melhor. Enquanto não estiverem, não serão opção. Estarão outros que estão preparados, que precisam destes momentos e que darão conta do recado"

  • O hábito faz o monge. A análise ao que correu mal para o Sporting ser atormentado pelo som da bola nos pés dos jogadores do Ajax
    Sporting

    O Ajax joga, do ponto de vista ofensivo, de uma forma que o Sporting nunca defrontou. Houve, aos soluços, nas competições internas, adversários que foram fazendo aparecer o ponto mais frágil da organização defensiva no modelo de jogo de Rúben Amorim: o espaço nas costas da primeira linha de pressão. E como não é uma regularidade, analisa o treinador Blessing Lumueno, os jogadores do Sporting sentiram muita dificuldade para controlar e contrariar uma equipa que sabe o que fazer quando a bola entra no corredor central

  • Choque milionário com a realidade
    Sporting

    O regresso da Liga dos Campeões a Alvalade foi um pesadelo para o Sporting, que foi goleado (5-1) pelo Ajax numa noite em que tudo correu mal. A equipa de Amorim sofreu dois golos nos primeiros 10 minutos, ainda reduziu por Paulinho, mas uma exibição em cheio de Haller (autor de um póquer), a qualidade de Antony e as fragilidades defensivas e inexperiência do Sporting deitaram tudo a perder