Tribuna Expresso

Perfil

Surf

Kikas faz história: “Ser o primeiro português a conseguir apuramento para os Jogos Olímpicos sabe muito bem"

Frederico Morais garantiu esta madrugada uma vaga olímpica para Portugal nos ISA World Surfing Games, "frente aos melhores surfistas do mundo"

Tribuna Expresso

Pedro Mestre/ANSurfistas

Partilhar

O surfista português Frederico Morais mostrou-se hoje “muito orgulhoso” por ter conquistado nos Mundiais de surf, em Miyazaki, no Japão, um lugar nos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, onde a modalidade se vai estrear na competição.

“É um dia muito especial. Ter conseguido esta vaga para Portugal deixa-me muito orgulhoso, não há muitas palavras. Ainda não digeri bem porque achava que hoje ainda havia mais campeonato e estou focado na prova, mas agora que deram ‘off’ já vai dar para celebrar um bocadinho este feito com a seleção e com a família, pelo telemóvel”, disse ‘Kikas’, de 27 anos.

Frederico Morais assegurou a vaga ao garantir que vai sair da prova japonesa como o melhor europeu, já que é o único representante do ‘velho continente’ ainda em prova.

“Ser o primeiro português a conseguir apuramento para os Jogos Olímpicos sabe muito bem. Só há muito pouco tempo é que comecei a sonhar. Quando se começou a falar disto e começou a ser mais palpável, defini isso como objetivo para mim, ser um atleta olímpico e levar Portugal e o surf português ao mais alto nível, dar a conhecê-lo ao Mundo inteiro”, explicou à sua assessoria.

O facto de o apuramento ter sido conseguido após grandes ‘batalhas’ aumentam a satisfação: “Conseguir isto depois de uma semana de ‘heats’ difíceis, frente aos melhores surfistas do Mundo... conseguir uma vaga para Portugal é um orgulho e o culminar de um grande dia”.

Instagram

Frederico Morais, que perdeu na sexta ronda e foi relegado para as repescagens, beneficiou da eliminação do alemão Leon Glatzer, do espanhol Vicente Romero e do italiano Angelo Bonomielli, que eram os outros europeus ainda em competição.

Na jornada de hoje, e depois de na véspera ter ultrapassado as rondas três, quatro e cinco, o português foi afastado na sexta, ao ser terceiro, com 12,83 pontos, atrás dos norte-americanos Kolohe Andino, número 3 mundial, com 14,00, e Kelly Slater, que havia batido na quarta, com 15,66.

Ainda assim, continua na corrida pelo título mundial, já que foi relegado para a 10.ª ronda das repescagens, na qual vai defrontar, no domingo, o indonésio Rio Waida e o japonês Shun Murakami, que lutam pela vaga asiática em Tóquio2020.

“Continuando em prova, agora nas repescagens, tenho o mesmo objetivo: sonhar alto, mas ‘heat’ a ‘heat’. Vou concentrar-me em apanhar as melhores ondas e, se Deus quiser, continuar até à final”, garantiu Frederico Morais.

Diz quem lhe faz as pranchas: “Não queria fazer o que o Kikas faz, que é ter de surfar ondas de meio metro à volta do mundo”

Jason Stevenson nunca quis ser o centro da atenções: não inclui o nome nas pranchas que fabrica, apenas as iniciais, mais um símbolo de um trator, em memória do pai, que trabalhava nas minas de sal em North Stradbroke, na Austrália. Ele é um dos líderes da indústria, é quem faz as pranchas para Frederico Morais e esteve em Portugal para lhe desenhar mais algumas, na Ericeira. Diz que o português é dos surfistas mais fáceis com quem trabalhar e, por oposição, recorda como Andy Irons achava, sempre, que "as pranchas de toda a gente eram melhores do que as dele"
  • O Olimpo não está assim tão longe de Kikas

    Surf

    O surfista português Frederico Morais está nas meias-finais dos ISA Surfing Games e aproxima-se assim da qualificação olímpica, num dia marcado pela eliminação do compatriota Miguel Blanco. Já só restam quatro europeus em prova e Kikas tem de ser o melhor deles para garantir a presença em Tóquio