Tribuna Expresso

Perfil

Surf

Derek Ho, antigo campeão do mundo de surf, morre aos 55 anos

O lendário surfista havaiano faleceu, na sexta-feira, alegadamente vítima de um ataque cardíaco. Derek Ho foi campeão do mundo em 1993, quando se tornou no primeiro havaiano a conquistar o título. Era tio de Coco e Mason Ho, ambos surfistas que já integraram, em respetivo, os circuitos mundiais feminino e masculino

Diogo Pombo

Campeão do mundo de surf, em 1993, Derek Ho esteve nos Açores, há dois anos, para participar no Azores Airlines World Masters Championships, prova que reuniu surfistas titulados, que já não competiam

Laurent Masurel/WSL

Partilhar

Dois mil e vinte estava em pleno espreguiçamento, o primeiro dia de janeiro a bem-vindar todo o mundo e no Havai, em particular, uns quantos levados da breca, a transbordar de adrenalina enquanto boiavam no mar de Pipeline, quando não estavam a pôr-se de pé dentro dos tão bonitos, quanto assustadores tubos da mais icónica onda do arquipélago. Entre eles, como só podia estar, via-se Derek Ho.

Com já pouco cabelo na cabeça, surfou a sua meia careca destemida ao lado de Kelly Slater, o 11 vezes campeão mundial de surf, ou de Mike Stewart, por nove ocasiões seu homólogo no bodyboard, outras calvices também lendárias. Derek Ho tinha 55 anos e estava no seu quintal aquático, conhecedor de cada metro cúbico de água salgada. Morreu este sábado, levado por um ataque cardíaco, dizem os jornais havaianos.

Derek Ho era uma lenda caminhante no Havai, onde a idade nunca o demoveu de participar nos eventos de surf na ilha. Continuava a remar mar adentro quando as maiores ondulações lá apareciam, dá conta a World Surf League: "Deixou um marca incrível no surf internacional e foi um pilar da comunidade da North Shore durante cinco décadas".

Esteve, em 2018, em Portugal, quando participou no Azores Airlines World Masters Championships, evento que juntou vários ex-campeões e figuras do surf nos Açores. Foi o primeiro havaiano a conquistar o circuito mundial, em 1993, tinha então 29 anos, título ao qual juntou quatro vitórias na Triple Crown havaiana (título para o surfistas com melhor prestação no conjunto de três provas que lá se realizam) e duas no Pipeline Masters.

Derek Ho era o irmão mais novo de Michael, pai de Coco e Mason Ho, ambos surfistas que já participaram, respetivamente, nos circuitos mundiais de surf feminino e masculino.

  • O mundial de surf vai chegar mais cedo a Portugal e Francisco Spínola explica-o: "A garantia de termos ondas épicas é maior em fevereiro"

    Entrevistas Tribuna

    A World Surf League decidiu cancelar, de uma vez, esta época e, ao mesmo tempo, baralhar tudo e voltar a dar, anunciando novidades para a próxima, que começará já em novembro e terminará em agosto de 2021, com um novo formato. Portugal passará a ser a segunda paragem do circuito mundial de surf, entre 18 e 28 de fevereiro, mas há até a hipótese de ser a primeira, porque o estado do Havai ainda tem de autorizar que haja competição por lá. Francisco Spínola, diretor da WSL para a Europa, África e Médio Oriente, explica o que vai mudar, em entrevista à Tribuna Expresso, e garante que faz todo o sentido aproveitar as ondulações de inverno que chegam à costa portuguesa: "A nossa época de surf é gigantesca e é isso que vamos provar"

  • Portugal passará a ter a segunda etapa do circuito mundial de surf. Mulheres vão, finalmente, surfar as mesmas ondas que os homens

    Surf

    A World Surf League baralhou tudo e voltou a dar: decidiu cancelar a atual época dos circuitos mundiais e logo anunciar alterações aos formatos de competição. A partir de 2021, a etapa de Peniche será a segunda no calendário do Championship Tour, que começará (já em dezembro) no Havai e acabará com a WSL Finals, o novo formato para determinar os campeões mundiais. O circuito feminino vai parar nos mesmos locais que o masculino (incluindo Teahupo'o, 14 anos depois). E, ainda este ano, Portugal vai acolher um evento de exibição da WSL, em setembro