Tribuna Expresso

Perfil

Surf

World Surf League adia etapa do circuito mundial em Peniche. Para quando? Não se sabe

A paragem na Praia de Supertubos, em Peniche, estava agendada para fevereiro. Seria o primeiro ano do reformulado circuito mundial que passaria a ter a segunda etapa, e não a penúltima, em Portugal. Mas a World Surf League anunciou, esta terça-feira, que decidiu adiar "até mais tarde" a realização da prova devido às restrições impostas pela pandemia, que terão obrigado a entidade a concentrar o arranque do Championship Tour nos EUA

Diogo Pombo

Damien Poullenot/WSL

Partilhar

Não seria mais no outono, ali colado ao fim do verão e com algum calor a aquecer as tardes e os corpos que enchiam a praia. Não, seria em pleno inverno, quando as águas são mais frias, as ondulações mais se espreguiçam no seu feitio invernoso e, por arrasto, mais provável é que não seja por falta de tamanho que as ondas não agradem a quem as enfrenta com pranchas. Cancelando a época passada devido à pandemia, a World Surf League (WSL) magicou para Portugal uma solução que lhe sorria com as probabilidades: passar a ter a etapa do circuito mundial não em outubro, mas em fevereiro.

Assim se montou um dominó otimista pois, parando na teórica melhor época do ano para as ondulações de inverno, maior probabilidade haveria para, na prática, os e as melhores surfistas do mundo fossem recebidos por ondas mais superlativas em Peniche. Batia certo, o evento ficou para entre 18 e 28 de fevereiro, mas, esta terça-feira, a lógica voltou a baralhar-se por culpa do bicho conhecido por covid-19.

A WSL anunciou que o MEO Pro Portugal foi adiado "até mais tarde na época", sendo esta vaga perspetiva a única que escreveu na newsletter enviada a dar contas das novidades para o circuito mundial, cujo arranque está agendado para dezembro, em lugares distintos do Havai - as mulheres começam no dia 4, em Maui, e os homens a 8, em Pipeline (Oahu).

Era suposto que depois arrumassem as trouxas, se enfiasse num avião e rumassem a Portugal, mas a WSL decidiu, por enquanto, adiar essa hipótese. O circuito seguirá antes para a praia de Sunset, também no Havai (19-28 de janeiro), onde se realizará a segunda etapa do mundial para homens e mulheres, mantendo-os no mesmo arquipélago e evitando que o circuito lide com restrições de viagens - os surfistas poderiam, nessa altura, lidar com períodos de quarentena obrigatórios que afetassem o planeamento de viagens.

Depois, seguirão todos para uma terceira etapa também recém-criada, em Santa Cruz, na Califórnia (2-12 de fevereiro), no mês em que supostamente estaria em Portugal. Com esta decisão, a entidade concentrará os circuitos mundiais durante pouco mais de dois meses nos EUA, aplicando a bolha possível onde tudo começa e tudo acabará: a WSL revelou, igualmente, que as WSL Finals serão em Lower Trestles, na primeira metade de setembro de 2021.

Portugal, Peniche e os seus Supertubos terão, por enquanto, que esperar.

  • Portugal passará a ter a segunda etapa do circuito mundial de surf. Mulheres vão, finalmente, surfar as mesmas ondas que os homens

    Surf

    A World Surf League baralhou tudo e voltou a dar: decidiu cancelar a atual época dos circuitos mundiais e logo anunciar alterações aos formatos de competição. A partir de 2021, a etapa de Peniche será a segunda no calendário do Championship Tour, que começará (já em dezembro) no Havai e acabará com a WSL Finals, o novo formato para determinar os campeões mundiais. O circuito feminino vai parar nos mesmos locais que o masculino (incluindo Teahupo'o, 14 anos depois). E, ainda este ano, Portugal vai acolher um evento de exibição da WSL, em setembro

  • O mundial de surf vai chegar mais cedo a Portugal e Francisco Spínola explica-o: "A garantia de termos ondas épicas é maior em fevereiro"

    Entrevistas Tribuna

    A World Surf League decidiu cancelar, de uma vez, esta época e, ao mesmo tempo, baralhar tudo e voltar a dar, anunciando novidades para a próxima, que começará já em novembro e terminará em agosto de 2021, com um novo formato. Portugal passará a ser a segunda paragem do circuito mundial de surf, entre 18 e 28 de fevereiro, mas há até a hipótese de ser a primeira, porque o estado do Havai ainda tem de autorizar que haja competição por lá. Francisco Spínola, diretor da WSL para a Europa, África e Médio Oriente, explica o que vai mudar, em entrevista à Tribuna Expresso, e garante que faz todo o sentido aproveitar as ondulações de inverno que chegam à costa portuguesa: "A nossa época de surf é gigantesca e é isso que vamos provar"