Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Regressa o tie break no 5.º set, para evitar maratonas sobre a relva

Wimbledon volta ao formato que abandonara

Após mais de um ano de recuperação dolorosa, Djokovic ergue pela quarta vez o troféu que tanto desejou quando era menino

Foto Gerry Penny / EPA

Partilhar

O torneio de ténis de Wimbledon, terceiro Grand Slam da temporada, voltará a ter "tie break" (desempate) no quinto set, mas apenas quando o parcial atingir uma igualdade a 12-12, informou esta sexta-feira a organização.

O torneio de Wimbledon, o mais conceituado do circuito em piso de relva, é o segundo dos quatro "major" a ter "tie break" no quinto set, à semelhança do Open dos Estados Unidos, embora na competição nova-iorquina isso aconteça aos 6-6.

Os outros dois torneios do Grand Slam, o Open da Austrália e Roland Garros, mantêm o quinto set no formato em que o triunfo apenas é atribuído quando um jogador atingir uma diferença de dois jogos.

Em 2010, o norte-americano John Isner e o francês Nicolas Mahut protagonizaram em Wimbledon o encontro mais longo da história, de mais de 11 horas, com a vitória do primeiro após um quinto set de 70-68. O encontro durou 9.58 horas, até ao adiamento por falta de luz quando estava em 59-59 no quinto set, terminando no dia seguinte.

"A nossa opinião é que chegou o momento de introduzir o método do tie break para encontros que não cheguem a uma conclusão natural e razoável no set decisivo", justificou o presidente do All England Club, Philip Brook, em relação à mudança esta sexta-feira anunciada.

Já este ano, John Isner voltou a ter uma maratona na meia-final de Wimbledon, perdendo ao fim de seis horas e 35 minutos diante do sul-africano Kevin Anderson, e depois de o último set chegar aos 26-24.

Lusa