Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Há seis meses, Andy Murray não sabia se ia conseguir apertar os atacadores. Agora regressou aos courts. E com uma vitória

Britânico está a disputar o torneio de Queens na variante de pares com o espanhol Feliciano Lopez. A dupla está na 2.ª ronda, cinco meses depois de Murray fazer uma operação de reconstrução da anca

Tribuna Expresso

Clive Brunskill

Partilhar

As visíveis dores com que Andy Murray jogou todo o encontro da 1.ª ronda do Open da Austrália frente a Roberto Bautista Agut e as lágrimas que se seguiram não eram animadoras. Há seis meses, o escocês anunciava que aquele torneio poderia muito bem ser o seu último, já que as dores que sofria na anca não lhe permitiam sequer apertar os sapatos sem dificuldade.

Contudo, Murray não fechou completamente a porta e o regresso aos courts ficaria dependente da recuperação de uma nova cirurgia de reconstrução do lado direito da anca. E a operação parece ter corrido bem, já que o britânico voltou esta quinta-feira a jogar, no torneio de pares do ATP 500 de Queens, em Londres. A fazer parelha com o espanhol Feliciano López, a vitória apareceu nada mais, nada menos frente aos primeiros cabeças de série, a dupla Juan Sebastián Cabal e Robert Farah. Murray e López venceram por 7-6(3) e 6-3.

A mostrar bons movimentos e a jogar aparentemente sem dores, Murray já tem assim pelos menos assegurado mais um jogo. Na verdade, mais ainda, porque pouco depois da vitória em Queens Murray anunciou que vai jogar em Wimbledon ao lado do francês Pierre-Hugues Hubert.

Se o regresso em singulares parece ainda longe de acontecer, a opção por jogar pares parece estar a agradar ao jogador de 32 anos, que em conferência de imprensa disse ainda já ter endereçado alguns convites para jogar pares mistos no major britânico.