Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

“Felizmente, já estou do outro lado agora”: Söderling sofreu de ansiedade e teve ataques de pânico quando abandonou

O ex-tenista usou as redes sociais para revelar que tem sofrido com ansiedade e ataques de pânico desde que abandonou o desporto

Clive Brunskill

Partilhar

A ATP aplaudiu esta quarta-feira o testemunho do ex-tenista sueco Robin Söderling, no qual relata uma batalha de nove anos com ansiedade e ataques de pânico e pediu mais atenção para problemas de saúde mental no desporto.

O antigo número quatro mundial, que deixou de jogar devido a ter contraído mononucleose em 2011, usou as redes sociais para revelar que tem sofrido com ansiedade e ataques de pânico desde que abandonou o desporto, considerando que estes problemas estão ultrapassados.

"Estou feliz, e sou sortudo, por estar do outro lado agora. Como eu, muitos atletas profissionais são perfecionistas, que dedicam as suas vidas ao desporto", escreveu o antigo atleta, de 35 anos, finalista de Roland Garros em 2009 e 2010, e primeiro a vencer o espanhol Rafael Nadal nesse torneio.

O desporto profissional, de alta competição, pode apresentar "desafios incríveis à saúde mental" de qualquer desportista, pela pressão e perfecionismo, afirma, pedindo mais debate e medidas para esta área.

"Dados demonstram que até um em cada três atletas sofrem de problemas de saúde mental, de stress, depressão ou ansiedade. (...) Precisamos de começar a debater isto e garantir que a próxima geração de atletas estará melhor preparada do que eu estava", concluiu.

No Twitter, a ATP aplaudiu o testemunho, tendo em funcionamento parcerias com duas associações para apoiar jogadores e treinadores com problemas de sáude mental e bem estar devido ao confinamento trazido pela pandemia de Covid-19.