Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Djokovic cria associação de tenistas independente da ATP, mas Nadal e Federer apelam à união

O sérvio é um dos líderes da Professional Tennis Players Association, uma nova associação de tenistas, independente do Conselho de Jogadores da ATP, que motivou logo reações de Rafael Nadal e Roger Federer, tendo ambos defendido que "é tempo de união, não de separação"

Tribuna Expresso com Lusa

Alex Pantling/Getty

Partilhar

O sérvio Novak Djokovic, líder do ranking mundial, anunciou, este domingo, a criação de uma nova associação de tenistas profissionais masculinos, independente da ATP, de seu nome Professional Tennis Players Association (PTPA), portanto à parte do Conselho de Jogadores, órgão já existente dentro da própria ATP.

e apesar dos apelos de Rafael Nadal e Roger Federer à união.

“Após a frutuosa reunião de hoje [domingo], temos o prazer de anunciar a criação da Associação dos Jogadores Profissionais de Ténis (PTPA)”, escreveu o jogador no Twitter, num texto acompanhado de uma fotografia, na qual aparecem, num court de Flushing Meadows, em Nova Iorque, pouco mais de 60 tenistas, todos masculinos. É lá que se realiza o US Open, que este ano não contará com público nas bancadas.

Rafael Nadal e Roger Federer, que, juntamente com Djokovic, são os jogadores em atividade com mais títulos no ténis, tinham apelado “à união, e não separação” e a ATP (Associação de Ténis Profissional), criada em 1972 e que gere o circuito desde 1990, criticou a iniciativa. O espanhol, também no Twitter, defendeu que estes "são tempos para todos estarem calmos e trabalharem na mesma direção", numa altura em que o mundo vive "uma situação complicada" - "é tempo de união, não de separação".

Citando, depois, as palavras de Nafal, o suíço defendeu ser "crítico" que "os jogadores se mantenham unidos" para "delinear o melhor caminho".

A própria ATP já reagira aos rumores da criação da nova associação, antes de ser formalizada. “Reconhecemos as dificuldades que os nossos membros enfrentam atualmente, mas pensamos que é o momento de mostrarmos união e não de divisões internas”, considerou a entidade.

Considerações a que Djokovic se mostrou praticamente indiferente, sublinhando ser este o momento certo, que não se trata de um sindicato, não existe um apelo ao boicote e que não haverá um circuito paralelo.

Já Vasek Pospicil, checo que é o 90.º tenista do ranking e, será, a par de Djkokovic, um dos líderes da nova associação, escreveu que a PTPA "não surgiu para ser combativa, para abalar ou para causar problemas dentro ou fora do circuito de ténis", mas sim para, "simplesmente, unir os jogadores". Quanto à eventual inclusão de tenistas femininas na associação, mencionou apenas que há "um diálogo ativo" a decorrer "do lado das mulheres".