Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Djokovic diz ter sido mal interpretado e pede desculpa. Por ele e por todos os jogadores

O tenista sérvio, número um do ranking mundial, enviara há dias uma carta ao diretor do Open da Austrália pedindo melhores condições para os tenistas em confinamento em Melbourne. Porque muitos viram o gesto como sinal de que os jogadores são "ingratos, fracos e egoístas", Novak Djokovic explicou, via Twitter, que apenas quis usar a sua "posição de privilégio" para tentar ajudar os tenistas em quarentena, por se lembrar de quando "era insignificante na ordem de escolha do mundo"

Diogo Pombo

MORGAN SETTE/Getty

Partilhar

As queixas eram muitas embora não muito variadas, vários tenistas pegaram na esperteza que cabe na palma da mão e criticaram a falta de material de treino para todos, a qualidade da comida, a impossibilidade de treinarem fora do quarto de hotel e o quão impactante será ficarem confinados a meros metros quadrados hoteleiros até oito dias do início do Open da Austrália.

Pelo menos quatro aviões que aterraram no país com jogadores inscritos no Grand Slam tiveram, também, alguém que testaria positivo à covid-19, o que obrigou 72 tenistas a cumprirem um isolamento de 14 dias nos hotéis onde estão alojados, em Melbourne. Longe dali, em Adelaide, mais de 700 quilómetros a oeste, Nova Djokovic decidiu enviar um e-mail.

O destinatário foi Craig Tiley, diretor da Tennis Australia que organiza o torneio, noticiando-se que o sérvio exigira melhores condições para os jogadores hospedados em Melbourne. A partir daí, adeptos e políticos australianos criticaram a atitude dos tenistas - Scott Morrison, o primeiro-ministro, disse até que "vão ser bem pagos" e para seguirem as regras e jogarem ténis.

Tanto ruído acresceu às já ruidosas reclamações dos tenistas que Djokovic recorreu, de novo, à internet, para escrever uma carta, esta longa e tornada pública, para explicar o que fez e justificar o porquê de o ter feito.

O sérvio defendeu as "boas intenções" da conversa com Craig Tiley, exaltou a boa relação que tem com o diretor da Tennis Australia e, mesmo "tendo noção de que as hipóteses de qualquer sugestão ser aceite eram baixas", recebeu pedidos de ajuda de tenistas e decidiu tentar a sua sorte.

Djokovic lembra-se "quando era insignificante na ordem de escolha mundial" e daí se retrata agora, por escolher usar a sua "posição de privilégio para ser o mais prestável que puder, quando e onde for necessário". O número um do ranking ATP pediu desculpa por os pedidos que incluiu na carta terem sido "mal interpretados".

E aproveitou para revelar que sendo quem é, tendo ganhado o que já ganhou e dispondo da visibilidade que tem, é incapaz de ser "um mero espetador" e por isso usa da sua "posição de privilégio para ser o mais prestável que puder, quando e onde for necessário".

A declaração de Novak Djokovic:

"As minhas boas intenções para com os meus competidores em Melbourne foram mal interpretadas como sendo egoístas, difíceis e ingratas. Isto não podia estar mais longe da verdade.

Nem todos os atos são avaliados segundo o seu valor original e, às vezes, quando vejo a repercussão das coisas, tendo a questionar-me se deveria apenas ficar sentado e desfrutar dos meus benefícios, em vez de prestar atenção às dificuldades de outras pessoas. Contudo, escolho sempre fazer alguma coisa e ser prestável apesar das consequências desafiantes e dos mal-entendidos."

Preocupo-me verdadeiramente com os meus colegas e também entendo muito bem como funciona o mundo, e quem crescer e tem melhor e porquê. Fiz por merecer os meus privilégios pelo caminho duro e, por essa razão, é-me muito difícil ser um mero espetador, sabendo o quão importantes foram cada ajuda, gesto e palavra boa para mim quando era insignificante na ordem de escolha mundial. Portanto, uso a minha posição de privilégio para ser o mais prestável que puder, quando e onde for necessário.

Sempre tive uma boa relação com o Graig [Tiley] e respeito e aprecio todo o seu esforço para fazer do Open da Austrália um lugar onde apetece voltar todos os anos. Na nossa troca de e-mails, usei a oportunidade para fazer um brainstorm sobre potenciais melhoramentos que poderiam ser feitos na quarentena dos jogadores que estavam em isolamento total em Melbourne.

Houve algumas sugestões e ideias que reuni de outros jogadores a partir do nosso grupo de chat e não houve qualquer dano causado por querer ajudar. Tinha noção que as hipóteses de qualquer sugestão ser aceite eram baixas, tal como o meu pedido para fazer a quarentena com a minha equipa em Melbourne, em vez de Adelaide, foi recusado antes de viajarmos, devido às estritas regras do governo. Como não podia estar com outros jogadores em Melbourne, disponibilizei-me para o que necessitassem.

Compreendo que organizar eventos desportivos internacionais durante a pandemia coloca riscos à saúde da comunidade local e dos próprios jogadores. Logo, gostaria de expressar a minha total gratidão à Tennis Australia, ao Governo Australiano e aos cidadãos locais por estarem dispostos a correr o risco connosco, pelo amor ao jogo e pelas múltiplas oportunidades que traz para a economia do país e da sua população. É uma honra e vamos fazer o nosso melhor para seguirmos as diretrizes e protocolos postos em prática.

Esperamos que sejamos capazes de cuidar do nosso corpo e estarmos preparados para os testes de força e resistência mental e física que teremos pela frente assim que a competição começar.

As coisas escalaram nos media e houve a perceção generalizada de que os jogadores (eu incluido) são ingratos, fracos e egoístas devido às suas emoções desagradáveis durante a quarentena. Peço muita desculpa que tenha chegado a isso porque sei o quão agradecidos estão muitos jogadores. Todos viemos à Austrália para competir. Não podermos treinar e nos preparar antes do início do torneio não é, de todo, fácil. Nenhum de nós alguma vez questionou os 14 dias de quarentena apesar do que está a ser dito pelos meios de comunicação.

Estou bastante ansioso para jogar à frente do público e me juntar ao frenesim do ténis e à energia da cidade que sempre me embalou rumo a muitas vitórias. Também estou ansioso por ver todos os meus colegas juntos em Melbourne. Estou espantado com o número de mensagens de gratidão e amor que tenho recebido durante estes últimos dias.

Desejo a todos saúde e amor,
Novak"