Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Ténis

Covid-19. O torneio de Wimbledon quer ter “o máximo de pessoas” possível. Os tenistas serão obrigados a dormir em hotéis da organização

Depois da edição do torneio do Grand Slam ter sido cancelada, em 2020, devido à pandemia da covid-19, a ambição de voltar a receber adeptos nas bancadas é viável, de acordo com o comunicado divulgado hoje pela organização

Lusa

Federer, o esplendor sobre a relva de Wimbledon

Tim Clayton - Corbis

Partilhar

O torneio de Wimbledon, terceiro ‘major’ da temporada de ténis, vai realizar-se com uma capacidade reduzida de público, mas com a expectativa de poder receber “o máximo de pessoas” possível em All England Club.

Depois da edição do torneio do Grand Slam ter sido cancelada, em 2020, devido à pandemia da covid-19, a ambição de voltar a receber adeptos nas bancadas é viável, de acordo com o comunicado divulgado hoje pela organização.

“Ainda assim, estamos a trabalhar para sermos o mais flexíveis possível e poder responder a alterações de última hora que nos permitam reduzir ou aumentar a capacidade de público, antes e durante as duas semanas do torneio”, defendeu a organização de Wimbledon, previsto decorrer entre 28 de junho e 11 de julho.

Atendendo às atuais circunstâncias e à evolução do novo coronavírus, o All England Club informa ainda pretender “deixar a decisão definitiva sobre a lotação de público para o mais tarde possível, de maneira a poder acolher o maior número de pessoas.”

Certo, para já, está o cancelamento da “The Queue”, a tradicional fila no Wimbledon Park, onde os adeptos chegam a pernoitar na procura por bilhetes a preços mais baixos, e a obrigatoriedade dos jogadores, equipas técnicas, árbitros e 'staff' essencial do torneio permanecerem em hotéis, deixando, assim, os tenistas de poder alugar casas nas proximidades de Wimbledon, como era habitual.