Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Ténis

Temos de falar sobre a dor de João Sousa

Ganhou três dos 11 jogos feitos em 2021. O ano passado, venceu um em 10. Mas, "se calhar", João Sousa "está melhor do que as pessoas pensam", diz quem o acompanha desde o início. A dias de regressar aos courts do Estoril Open (24 de abril a 2 de maio), o treinador Frederico Marques contou à Tribuna Expresso que vieram "alguns fantasmas à cabeça" devido à primeira lesão grave sofrida na carreira do tenista que "habituou as pessoas a jogar a um nível alto". E falou de dor

Diogo Pombo

Ryan Pierse/ATP Tour

Partilhar

Direita, volver!, não é lema, não sei se João Sousa sequer tem um, nem se o exclama caso o tenha; a exclamação implica bradar ou vociferar e já são muitos anos em que ele é diferente a pronunciar-se. Fá-lo através do ténis, em movimento, os pés a mexerem-se como o pai lhe dizia a eito, cada bola que vem deve ser uma bola que vai e não volta a vir para a raquete de João, ele tem-na na mão direita, com ela desse lado tem uma metade do court para tomar conta e “costuma cobrir 80%” dessa área “com direita”.

Ao querer devolver o que lhe atiram com uma pancada batida desse lado, então “tem de estar ali a remar, a ocupar o seu espaço, a jogar no campo com a direita e a movimentação é essencial para ele”. A direiteza de João Sousa é assim faz muito tempo e Frederico Marques, o treinador, tem-no bem presente. Não é defeito, tão pouco é feitio, trata-se do estilo com que escolheu crescer no ténis e lhe valeu “uma direita invertida” que é “arma de top-20 mundial”.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • João Sousa: "Senti-me um bocadinho inútil e frustrado. Não estava feliz a jogar"
    Entrevistas Tribuna

    É sincero e di-lo do coração: não faz ideia em que posição do ranking está quando é feita a entrevista. João Sousa, o melhor tenista português de sempre, estava em 90º, dentro do top 100 onde reside há mais de sete anos, mas nunca com uma época feita como a anterior — com um teto imposto pela dor de uma lesão no pé, uma limitação que o forçou a mudar o estilo de jogo sem se adaptar à mudança. E a desanimar por causa dela

  • Mexe os pés, João
    Ténis

    Um rapaz saiu de casa aos 15 anos e foi para a Catalunha à procura de um sonho. Levou com ele a determinação, o talento e os conselhos de quem ficou para trás, a vê-lo crescer à distância de um telefonema Porque João Sousa venceu o Estoril Open, republicamos aqui um trabalho feito em 2016 e que retrata a vida deste tenista singular da nossa história