Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Barbora, a inacreditável vencedora de Roland Garros

Há oito meses, Krejcikova estava fora do top 100 mundial e apesar dos bons resultados em pares a verdade é que era quase uma desconhecida. Era. A partir deste sábado é a nova campeã da terra batida e domingo ainda pode juntar mais um título ao palmarés na final de pares

Rui Gustavo

Adam Pretty/Getty

Partilhar

O ténis feminino costuma ser imprevisível (principalmente desde o inevitável declínio de Serena Williams, uma das oito vencedoras diferentes das últimas oito edições de Roland Garros) mas desta vez exagerou: uma jogadora que nunca tinha chegado a uma final de um torneio do Grand Slam (nunca passou da quarta ronda), que há oito meses estava fora do top 100 de singulares e que era conhecida apenas como uma boa jogadora de pares é a nova campeã do torneio de Roland Garros.

Chama-se Barbora Krejcikova (lê-se como se escreve, acentuando os o) e ganhou um estranho torneio em que Naomi Osaka desistiu para não ter de ir às conferências de imprensa, Ashleigh Barty, a número 1 do mundo retirou-se por lesão e todas as favoritas foram caindo, uma a uma (Barbora derrotou as americanas Stephens e Gauff e a ucraniana Svitolina)

A checa de 25 anos (já não é uma jovem para os parâmetros do ténis feminino) derrotou a russa Anastasia Pavlyuchenkova, que também se estreava numa final, por dois sets a um. Na meia final, salvou um match point e foi protagonista de um ponto que terá consequências no torneio: a grega Maria Sakkari mandou uma bola fora que lhe daria a vitória mas o árbitro mandou repetir o ponto e foi a grega a ganhá-lo. Mesmo assim, Barbora conseguiu a vitória final. O torneio de Roland Garros é o único que não tem "olho de falcão" para avaliar as bolas duvidosas.

Numa entrevista a Mats Wilander e Barbara Schett, Barbora contou que aos 18 anos ganhou coragem e foi a casa de Jana Novotna, uma das melhoras jogadoras checas da história, pedir-lhe conselhos porque estava a pensar a abandonar o ténis. A antiga campeã de Wimbledon incentivou-a a continuar e no final da final deste sábado as primeiras palavras de Barbora foram para ela: "Disse-me que havia de ganhar um Grand Slam".

Neste domingo, a jogadora checa disputa a final de pares femininos. Desde 2000 e de Mary Pierce que nenhuma jogadora consegue a dobradinha.