Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Sem ofensa, Ljubomir, mas talvez o tal Ramires venha a dar jeito frente a equipas como este Aves (por Um Azar do Kralj)

Vasco Mendonça lá escreveu sobre o seu Benfica no final de um jogo em que as coisas não correram tão bem como podiam

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

Pedro Fiuza

Partilhar

Vlachodimos

Pouco trabalho frente a uma Naval muito comedida nas inictiativas ofensivas. Podia ter feito mais no lance do penalty, nomeadamente dar uma belinha ao Ruben Dias pela falta escusada.

André Almeida

Exibição pouco feliz que irá acicatar aquela facção de adeptos que torna André Almeida responsável por tudo o que acontece de mau ao Benfica sempre que ele falha um passe. O problema é que hoje, de facto, falhou muitos. Foram 16 oportunidades para o benfiquista ingrato que há em cada um de nós perguntar porque é que André Almeida ainda joga neste Benfica, como se não soubéssemos que ele joga porque merece a titularidade (e porque não há mais ninguém, pronto). Enfim. Só Ferreyra esteve pior do que em matéria de passes falhados. Não é fácil ser pior do que Ferreyra neste Benfica e também não é comum em André Almeida. Geralmente essa missão tem ficado reservada para Seferovic.

Jardel

Há algum tempo que não participava na fase de construção ofensiva. Hoje voltou a assumir esse papel. Um erro seu ajudou o Sporting a lançar um dos poucos ataques perigosos e conquistar um penálti sem saber ler nem escrever.

Rúben Dias

Excesso de zelo num lance com relevância idêntica a toda a carreira de Fredy Montero, ou seja, uma situação de aparente perigo que acabaria por se revelar inconsequente. Até ao penálti cometido por Rúben Dias, os benfiquistas estavam convencidos de que mais cedo ou mais tarde conseguiríamos ultrapassar este Moreirense. Ainda que se trate de um adversário digno e merecedor do nosso respeito, a táctica da equipa de Moreira de Cónegos e a qualidade do seu onze não escondiam que a intenção era sair da Luz com um ponto. Rúben tentaria emendar a mão ajudando o mais possível os colegas no ataque, mas aí já o autocarro estacionara.

Grimaldo

Quase só atacou. Tentou actuar como o desbloqueador de serviço nas iniciativas pela esquerda, mas teve uma oposição feroz dos setubalenses, que colocavam em média 3 ou 4 homens a fechar junto às alas, e os restantes 6/7 dentro da área. Ainda tentou de bola parada já perto do final, mas Salin afastou com os punhos, para logo depois simular uma trombose e ser assistido pela oitava vez. Clássico Vitória de Setúbal.

Fejsa

O jogo pedia o Fejsa do costume a cobrir a actuação de Bruno Fernandes até mesmo as poucas diabruras de Montero (cumpriu sem grande dificuldade), e um Fejsa mais afoito nas tarefas ofensivas. Foi aí que a coisa correu menos bem. Quase não falhou passes porque quase nunca arriscou fazer esses mesmos passes para a frente. Sem ofensa, Ljubomir, mas talvez o tal Ramires venha a dar jeito frente a equipas como este Aves.

Gedson

Voltou a ser peça fundamental como facilitador de toda a manobra ofensiva da equipa, apoio defensivo de Fejsa e bitch de Pizzi, que assim não se vê obrigado a defender tanto. É, compreensivelmente, a nova coqueluche do Benfica e, pelos vistos, de todos os jogadores de equipas adversárias que gostam de agredir pessoas bem sucedidas. A tática estava bem estudada: "passa a bola, não passa o Gedson". Ele que se habitue. Este campeonato será jogado quase sempre contra equipas pequenas como este Tondela, que usou os poucos recursos ao seu dispor para perturbar o jogo do nosso menino.

Pizzi

Dos que mais fez por se libertar da asfixia defensiva imposta pelo Santa Clara. Recuou para apoiar na construção de jogo, fez trinta e três passes longos para André Almeida na direita sem que isso me tivesse irritado por aí além e teve a presciência de ceder o seu lugar ao vencedor da Bola de Ouro em 2021. Prepara-se para fazer em Salónica o seu oitavo jogo consecutivo durante o mês de Agosto. Espera-se por isso uma grande exibição na próxima quarta-feira para terminar a época.

Rafa

A sua assistência para golo valeu-lhe uma subida de três posições no ranking mundial de Rafas: Nadal, Varane, Rafael (o pintor), Rafael Alexandre e Benítez.

Cervi

Vive o pior momento de forma desde que chegou ao Benfica, mas que ninguém duvide da sua esperteza. Cervi descobriu como dar a volta à situação sem necessariamente jogar melhor. A tática fez-nos recuar aos primeiros tempos de Jardel no Benfica, quando este desatou a atingir pessoas ou objectos com a sua cabeça por forma a que esta sangrasse. A recordação de cada um desses jogos deixou de ser Jardel, o central algo duro de rins que chega tarde e passou a ser Jardel, o guerreiro que dá a vida pelo clube. Franco Cervi lá conseguiu levar uma mocada de Ristovski ou outro idiota qualquer da equipa adversária, sendo obrigado a ligar a cabeça. Foi assim que passou de mais uma exibição desinspirada para um jogo de sacrifício só ao alcance dos mais resilientes. Saiu aos 57 minutos aplaudido por dezenas de milhares de tipos que caíram que nem uns patinhos.

Zivkovic

Sei que o futebol é uma linguagem universal, nesse caso Rui Vitória já devia ter percebido - ao décimo nono movimento de Zivkovic da ala para o centro - que o sérvio talvez rendesse mais a jogar noutra posição. Há algum bom tradutor de "futebol" na equipa técnica do Benfica?

Ferreyra

Há muito tempo que não tínhamos um avançado capaz de provocar disfunção eréctil.

Seferovic

Ok, esqueçam.

João Félix

Esperem. Acho que voltei a sentir qualquer coisa. Querida, ainda estás acordada?