Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

A reflexão profunda de Um Azar do Kralj: a vida é como André Almeida. Uma jornada alucinante, que tanto desespera como surpreende

O Benfica voltou a vencer em Guimarães, agora para a 18ª jornada da Liga, e Vasco Mendonça viu Rafa a fazer um "excelente aquecimento para a sova que vai dar os laterais do Porto na próxima terça-feira"

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

André Almeida, lateral direto do Benfica

PATRICIA DE MELO MOREIRA/GETTY

Partilhar

Odysseas

Estranharam que se tivesse benzido oito vezes antes do início do jogo, mas também Odysseas esperava o pior com o regresso de Conti ao onze titular. Enganámo-nos todos, incluindo o grego, que acabou por fazer duas importantes defesas que não pretendo elogiar muito, porque da última vez que fiz isso o homem aproveitou o jogo seguinte para sair a três cantos como se estivesse à procura das lentes de contacto.

André Almeida

A vida é como André Almeida. Nunca sabemos o que vai acontecer a seguir. É uma jornada alucinante, repleta de altos e baixos, que numas ocasiões desespera e noutras surpreende. Às vezes levamos um amarelo porque nos acertaram com um isqueiro, outras porque fomos agredidos por um parvo parvo. Às vezes tentamos tirar a bola da nossa área e parecemos mancos, outras vezes assistimos os avançados para o golo da vitória. Num minuto somos o pior jogador do mundo, no outro somos o rei das assistências da Liga NOS. É a vida. Nunca sabemos o que vai acontecer a seguir, mas, se for sempre assim, venha ela.

Conti

Irreconhecível. Ocupou o lugar de Ruben Dias ao lado de André Almeida e foi talvez o mais competente dos defesas em campo, somando intervenções preciosas que em muito ajudaram a equipa, tanto a defender como na construção de jogo. A falta de expressividade do rosto de Conti, que em tempos me irritou, parece agora ser uma espécie de poker face plena de frieza e obstinação. As voltas que a vida dá. Põe-te a pau, Ruben, que o Gérman afinal sabe umas coisas.

Jardel

Os analistas de arbitragem que abundam neste país apressaram-se a ver um penalty de Jardel sobre Tozé aos 72 minutos. São uma espécie extraordinária, estes analistas. Não vêem mais nada, nem mesmo futebol. Só lhes interessa a arbitragem, se possível dos jogos dos outros. Esforço, dedicação, devoção e vídeo-árbitro. Perdem o sono, queimam pestanas, sacrificam horas infindas da sua vida pela arbitragem. Vêem o lance e voltam a rever, as vezes necessárias até se convencerem de que perderam mal, mais uma vez. São os justíssimos campeões dessa modalidade.

Grimaldo

A sua nova tatuagem passou despercebida à maioria, mas diz “volta Zivkovic” em caracteres chineses.

Samaris

Voltou a impor-se num onze do Benfica com maior vocação defensiva. A principal vantagem de Samaris em relação a Fejsa é não ter duas pernas presas ao corpo com agrafos. Isso permitiu ao grego abordar o jogo com outra disponibilidade física. Falhou um outro passe de meia distância, mas se o homem fosse o Pirlo já não estava no Benfica.

Pizzi

Andou um pouco por todo o lado à procura das melhores linhas de passe, de espaço para progredir com bola e de zonas do estádio em que não houvesse um benfiquista a dizer mal dele.

Gabriel

Quando comecei a escrever estes postais sobre os jogos do Benfica, incomodava-me que um jogador fintasse os pessimistas como eu e se mostrasse afinal como o craque que deveras é. Hoje em dia é o oposto. Há poucas coisas que me façam mais feliz do que estar enganado em relação a jogadores do Benfica que me pareciam fraquinhos ou num mau momento. Que todos eles arranquem para exibições bem conseguidas e jogadas de antologia, como o lance de Gabriel que abriu o caminho para a nossa vitória. Cá estarei para admitir que me enganei e confirmar que temos reforço, excepto, sei lá, no caso de um Taraabt.

Cervi

Faz Zivkovic parecer ainda melhor. Banco com ele.

João Félix

O nosso menino fez o segundo jogo em Guimarães numa semana e isso notou-se. Se há poucos dias decidiu o jogo com um golo pleno de oportunidade, hoje teve uma recepção mais adequada ao seu talento, ou seja, fartou-se de levar pancada. Nada disso impediu o jovem talento de ser um dos mais esclarecidos em campo, com e sem bola, sempre à procura dos colegas ou dos espaços vazios, em especial espaços que irritassem pessoas como André André. João Félix continua a apresentar-se em campo com a insolência de alguém que sabe que está em Portugal a estagiar durante uns meses para depois rumar a um clube que não lhe dará o devido valor. Modernices.

Castillo

Há os futebolistas que parecem estar fora de ritmo. Precisam de minutos nas pernas, de confiança e de golos. Castillo não é um deles. O avançado chileno parece alguém que só recentemente voltou a caminhar, e mesmo assim fá-lo a custo. Apostemos na fisioterapia, que o caminho antevê-se longo.

Rafa

Excelente aquecimento para a sova que vai dar os laterais do Porto na próxima terça-feira.

Seferovic

Decisivo. Cumpriu à risca as indicações de Bruno Lage e fez exactamente o oposto de Castillo, colocando o Benfica primeiro em igualdade numérica e depois em vantagem no marcador.

Gedson

Talvez devesse ter entrado mais cedo, mas não é o momento para questionarmos o nosso sensei Bruno Lage. Estamos a poucos dias de limpar o sarampo ao Porto. Depois disso temos a final da Taça da Liga, um campeonato para conquistar, uma Liga Europa, enfim, já perceberam a ideia. Guardem a viola no saco.