Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Seja qual for o resultado, podemos já afirmar que o Sporting foi prejudicado e privado de uma merecida celebração (por Um Azar do Kralj)

Se acha que isto é ironia, é porque é mesmo ironia. Vasco Mendonça, um adepto do Benfica, coautor da página Um Azar do Kralj, cronista da Tribuna Expresso e ainda comentador da SIC Noticias, antecipa o dérbi da Taça de Portugal desta noite (20h45, RTP1) com recurso ao sarcasmo futebolístico

Vasco Mendonça (Um Azar do Kralj)

NurPhoto

Partilhar

Motivos profissionais obrigam-me a ver todos os jogos do Sporting e posso garantir uma coisa aos benfiquistas: se o nível exibicional de ambas as equipas se mantiver, vamos sofrer muito amanhã em Alvalade, não com a pressão exercida pelo adversário, mas antes com o sofrimento infligido pelo seu futebol.

Os jogos do Benfica sucedem-se a cada três dias, o Sporting joga todas as semanas, e a minha visão não tem tido tempo para recuperar. Por este andar, arrisco-me a acabar com mais dioptrias do que títulos conquistados pelo Sporting nos últimos 20 anos.

Visto dessa forma, parece pouco.

Chamam-lhe festa da Taça, mas festa é coisa que raramente se vê nos embates entre Sporting e Benfica. O que é podemos dar por adquirido? Se o Sporting ganhar, Frederico Varandas fará uma das suas raras aparições públicas a elogiar a liberdade dos agentes do futebol e a elogiar o espírito guerreiro da equipa na ausência de Ristovski.

Se o Benfica ganhar, teremos mais uma aula de futebol dada por Bruno Lage na sala de imprensa. Se perdermos, também.

Seja qual for o resultado, podemos já afirmar, com relativa segurança, que o Sporting foi prejudicado e privado de mais uma merecida celebração junto dos seus adeptos.

Mais do que o plano de jogo preparado por cada treinador, será a motivação a determinar o vencedor deste dérbi. De um lado estará uma equipa inspirada pelo desígnio da solidariedade, apostada em reabilitar Adel Taarabt e fazer dele o marcador do golo da vitória em Alvalade.
Passar à final será sempre secundário depois disto. Do outro, estará um bicampeão de inverno sem ponta por onde se lhe pegue, que se mantém ligado à máquina a viver para Bruno Fernandes como um heroinómano para o garrote.

Por um lado existe a tentação de anular o melhor jogador do Sporting. Por outro isso pode levar a que o jogo prossiga apenas com uma equipa em campo, o que seria uma desfeita para todos os que pagaram bilhete na esperança de participar numa festa. Aconteça o que acontecer, que ganhe o Maior.