Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

As lágrimas de Félix? Angústia por não poder responder aos nudes, que deixou o telemóvel descarregado em casa (por Um Azar do Kralj)

Sem mais demoras, aqui vai a contracrónica de Vasco Mendonça, naturalmente bem-disposto com o triunfo do Benfica diante do Eintracht Frankfurt (4-2). E por entre elogios a Félix e a Grimaldo, e algumas críticas a Jardel, Vasco deixa recados à estrutura encarnada, na medida em que há um determinado jogador com quem é preciso renovar contrato

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

Octavio Passos

Partilhar

Vlachodimos

No final do jogo uma criança foi ter com o grego e entregou-lhe um desenho explicativo de como intervir em lances aéreos. Talvez assim Vlachodimos perceba. Logo a seguir outra criança entregou um desenho de um adepto benfiquista com os olhos a sangrar. Considere-se o recado entregue.

Corchia

Esteve mais de uma hora em campo e deu indicações muito positivas como parte integrante do motor ofensivo liderado por Félix, isto antes de sucumbir à macumba de André Almeida, que já não estava a achar piada nenhuma. "Respeitem o Puskas", terá dito.

Rúben Dias

Não sei se já repararam, mas o semblante de Rúben Dias vai evoluindo ao longo de um jogo para se assemelhar ao do jogador de Frog Hammer. Em vez de sapos a espreitar, apareceu um alemão, depois apareceram dois, três, até mesmo um português, e a tensão de Rúben Dias foi subindo, bem como a sua capacidade de resposta. No final, os anos de experiência no salão de jogos Arco-Íris revelaram-se cruciais e o nosso centralão saiu maioritariamente vencedor. Foi dos poucos que não cumprimentou Gonçalo Paciência com um abraço no final, o que também é de saudar.

Jardel

Nunca um jogador tinha demorado tanto tempo a abandonar o relvado da Luz para ceder o lugar a um colega de equipa. Jardel precisou de 90 minutos para fazer essa curta caminhada rumo ao banco de suplentes, dando até a entender que tal não era do seu agrado, mas isso não evitou um longo e sentido abraço a Ferro no final para gáudio dos presentes. Pelo menos foi isso que eu vi.

Grimaldo

Estamos tão habituados a ver Grimaldo fazer o que lhe compete que por vezes nos irritamos se tal não acontece. Ontem, por exemplo, foi um daqueles casos em que o espanhol se voltou a revelar decisivo na manobra ofensiva da equipa e muitíssimo importante cá atrás. Por tudo o que tem feito, é cada vez mais provável que estes sejam os últimos jogos de Grimaldo na Luz. Que lhe demos a despedida que ele merece, como só nós sabemos. Comecemos por uma assobiadela, seguida de críticas do espanhol que culminarão num enorme abraço colectivo e agradecimento por tudo.

Fejsa

Não percebemos se o novo penteado tem o objectivo de intimidar os adversários ou se é uma antena cuidadosamente para captar sinais de extraterrestres, mas talvez tenha sido mais bem sucedido neste último capítulo.

Samaris

Agora a sério. É preciso criar uma conta de crowdfunding para garantir a renovação de Samaris? Exibição monstruosa. Leitura de jogo, capacidade de impor o físico sempre que necessário, até mesmo para carregar Ljubomir Fejsa às costas em alguns momentos. Não é qualquer um que levanta aquele sérvio.

Rafa

Fez meia horinha à Rafa e depois percebeu que a noite era de João Félix. Humilde como é, abandonou discretamente a partida e deixou que os holofotes apontassem para o jovem colega. Não tem problema nenhum. O próximo hat-trick será dele, já este este domingo.

Cervi

Há muito tempo que os neurologistas do Benfica não registavam tamanha atividade cerebral em Cervi, que conjugada com um espírito de sacrifício que nele parece por vezes vontade de dar a vida, fez da sua exibição um acontecimento surpreendentemente agradável. Se tem marcado aquele golo na cara do guarda-redes estaríamos agora aqui os dois presos num gif eterno, abraçados a beber Sagres e a festejar a reconquista. Mas não, isso é só daqui a umas semanas.

João Félix

Ao contrário do que se possa pensar, as lágrimas de João Félix após a consagração em forma de hat-trick não são de comoção pelo regresso aos golos e boas exibições, não são por ter acontecido em sua casa, e muito menos serão por ter sido o mais jovem de sempre a fazer isto num jogo da Liga Europa. Não. As lágrimas são de angústia por saber que não poderá responder afirmativamente a todos os nudes recebidos nas horas seguintes, e ainda por cima não deixou o telefone a carregar antes do jogo.

Gedson

Vou usar as posições ocupadas por Gedson esta noite para criar uma nova chave fixa no Euromilhões. Sofreu mais no papel de lateral direito, mas por essa altura já tinha conseguido o mais importante: uma noite de afectos múltiplos trocados com a bola e com todos os adeptos que não sentem a sua sexualidade ameaçada por esta frase.

Seferovic

Hoje foi a vez de Dr. Haris prevalecer sobre Mr. Seferovic. Se este último é um portentoso avançado suíço capaz de concretizar em quaisquer circunstâncias, Dr. Haris é um teórico que falha golos escandalosamente e acende a luz da câmara do telemóvel quando se senta na bancada.

Pizzi

Foi pouco tempo, mas chegou para ficarmos ansiosos por rever a dupla Pizzi-Gedson na ala direita, se possível a cada ano bissexto.

Zivkovic

O seu futebol parece-se muito com o meu comportamento numa aula de ginástica. E flecte, insiste, cruza, não desiste, epá, desculpem, chega disto.