Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Se pensarmos que Seferovic precisa de cinco oportunidades para fazer o que lhe compete, é possível que voltemos a ver figurinhas lamentáveis

Vasco Mendonça, de Um Azar do Kralj, escreve sobre os jogadores do Benfica e deixa um recado estatístico e particular para Seferovic, que perdeu uma boa oportunidade para estar calado

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

Vlachodimos
Por entre defesas competentes e saídas eficazes, Vlachodimos fez tudo o que estava ao seu alcance para provar que não será ele a causa de uma eventual eliminação do Benfica nesta prova. Fun fact: sabiam que esta foi a décima primeira derrota nos últimos 14 jogos da fase de grupos da Liga dos Campeões? Qualquer dia somos obrigados a pagar para entrar nesta prova.

Tomás Tavares
Estranhamente calmo na sua estreia oficial como titular: rotinado com os colegas na maioria das situações de jogo, soube sair a jogar em muitos momentos, foi atento e abnegado nas tarefas defensivas, e não desistiu de um único lance. Foi como se já jogasse há muito numa equipa destinada a perder a primeira jornada da fase de grupos da Champions.

Rúben Dias
Uma série de intervenções cruciais que anularam o poderio ofensivo do Leipzig e demonstraram novamente que Rúben Dias está preparado para importantes confrontos na Europa, pelo menos os próximos cinco.

Ferro
A sua exibição deambulou entre a Liga dos Campeões e a Liga Europa, mas em momento algum nos afastou das competições europeias.

Grimaldo
Aos 55 minutos fez um corte de calcanhar merecedor de elevada nota artística, apenas um de muitos lances em que se exibiu a bom nível, tanto a atacar como a defender. Resta saber o que faremos com todo o dinheiro que vamos receber com a sua venda. Matamo-nos a trabalhar para encher os bolsos, mas, e o resto? O work-life balance do benfiquismo encontra-se ameaçado. De que serve termos tanto dinheiro no banco se depois não temos vida para o aproveitar?

Fejsa
Quem diria que um dia olharíamos para as exibições de Fejsa com a atitude caridosa de quem comprou roupa a um sem-abrigo para ele ir a uma entrevista de emprego. Em vez do blazer e camisa, vestimos-lhe uma camisola encarnada e testámos a sua capacidade de resistência ao stress. No final, ganhámos um indivíduo sérvio que voltou a ter um emprego e um tecto. Nada mais merecido, já que mostrou um futebol esforçado, a espaços muito importante na manobra da equipa, tanto a defender como em algumas transições ofensivas. Um exemplo de reabilitação social para o qual a Europa devia olhar, designadamente clubes turcos com mais de 3 milhões para gastar.

Taarabt
Continuo à espera que Adel protagonize uma campanha de promoção da reciclagem para a Sociedade Ponto Verde, mas enquanto isso não acontece contentar-me-ia com a criação de um novo galardão, a Bola de Ouro efémera. Visa premiar jogadores que, pela sua intervenção fugaz num determinado momento de um jogo, conseguiram criar uma erupção vulcânica nas bancadas. Aconteceu ontem numa recepção orientada de Taarabt, seguida de uma revienga que deixou dois jogadores do Lepzig fora dela e dezenas de milhares a celebrar como se pretendia naquela noite. Não haveria muitas sensações melhores naquele momento das nossas vidas do que vermos dois jogadores de uma equipa alemã inventada há meia dúzia de anos prostrados perante a superioridade técnica de um marroquino que a ciência deu como inapto. Foi uma de muitas ocasiões em que o marroquino voltou a revelar-se o jogador mais clarividente da nossa construção ofensiva, incluindo nos momentos em que correu riscos, sem medo de nada e sem nada a perder. Ainda que por breves instantes, ontem foi ele que nos salvou.

Pizzi
Pizzerável. O que dizer quando a melhor combinação com Rafa ao longo de todo o jogo foi a saída do relvado para lhe ceder o lugar? Bem, venha daí essa Liga que eu preciso muito de voltar a gostar de ti.

Cervi
Dizer que teve o pé frio na cara do guarda-redes do Leipzig é pouco. Aquele pé pareceu acabado de sair de uma câmara criogénica. Aliás, todo ele pareceu um pouco fora dela. Mais tarde vimo-lo sofrer no banco, que nem um de nós, e reconciliámo-nos, mais com ele do que com quem o colocou em campo.

Jota
O miúdo bem tentou fazer estragos, mas foi picadinho até fazerem dele chucrute, bem guardado e selado num frasquinho à espera de melhores dias.

RDT
Mais uma exibição plena de abnegação e demonstrativa dos bons pés e da inteligência de Raul de Tomás. Tal como a maioria das anteriores, a ausência de golos faz-nos sentir que não serviu para porra nenhuma. Acho que a maioria de nós aprecia este avançado espanhol, mas temos sido mais tolerantes com ele do que com os nossos filhos. Até quando, amigos?

Rafa
Talvez tenha entrado tarde demais, mas compreende-se que Lage não o queira sacrificar quando é um dos mais produtivos do plantel. A opinião de que poderia ter entrado mais cedo não se deve apenas àquilo que o jogo parecia pedir no flanco de Pizzi. É que os adeptos começam a abandonar as bancadas a partir dos 80 minutos, portanto convém despachar tudo para que as pessoas possam ver pelo menos uns minutos do Rafa antes de deixarem os jogadores entregues a si com um resultado da Champions em 1-2. Jogámos contra um clube inventado há uma década, mas, ironicamente, alguns de nós parecem ter menos cultura futebolística do que eles.

Seferovic
Normalmente perde boas oportunidades para marcar golos. Desta vez perdeu uma boa oportunidade para continuar calado. Marcar um golo que reduz para 1-2 e gesticular como quem manda calar os adeptos é, digamos, uma forma estranha de celebrar o correcto desempenho das funções para as quais foi contratado. Se pensarmos que Seferovic precisa, em média, de cinco oportunidades para fazer aquilo que lhe compete enquanto jogador do Sport Lisboa e Benfica, é possível que voltemos a ver figurinhas lamentáveis como a que fez neste jogo.

David Tavares
Não havendo grande dúvida acerca do seu talento ou condição para ocupar um lugar no plantel, duvido que alguém no estádio contasse com ele para resolver o jogo. Seria uma grande surpresa numa noite com, digamos, talvez demasiadas surpresas em campo