Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Ansiedade, negação, pesadelos: a literatura sobre stress pós-traumático diz que Ferro está na fase de salvamento (Um Azar do Kralj)

Aqui está a análise de Vasco Mendonça, de Um Azar do Kralj, à exibição dos jogadores do Benfica diante do Famalicão, jogo que terminou empatado e resultou no apuramento dos encarnados para a final da Taça de Portugal. É o que fica

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

Quality Sport Images

Partilhar

Vlachodimos

Não há porcos que cheguem. Depois do coronavírus ter acelerado as exportações de carne de porco para a China, mais um grande impulso para o setor. O Benfica está no Jamor. Daqui a alguns meses, quando derem por vocês num estado lastimável às onze e meia da manhã, lembrem-se do grego que tornou a festa possível.

Tomás Tavares

As voltas que a vida dá. De titular supostamente imposto pelo presidente a opção válida e aplaudida pelos adeptos, a adaptação ao futebol sénior tem corrido bem. Aliás, se o compararmos hoje aos colegas da defesa o miúdo chega a parecer um veterano. Ontem vi-o cavar uma falta aos 92 minutos como se fosse um lateral do Aves a tentar segurar um pontinho em Famalicão, e eu, amigos, celebrei como se fosse golo, assim como toda a gente no banco de suplentes. Não sei bem o que isso diz sobre nós, mas em breve perceberemos, de uma maneira ou de outra.

Rúben Dias

Ontem, depois de um desarme magnífico ao Toni Martinez aos 21 minutos, dei por mim a escrever no google “quanto pesa um piano de cauda” com o objectivo de perceber se o quarteto defensivo que o Rúben anda a carregar às costas pesa mais ou menos. É ela por ela.

Ferro

Não gosto de falar sem saber, por isso decidi informar-me. Ao que parece, a literatura sobre stress pós-traumático coloca Ferro na fase de salvamento, durante a qual o indivíduo, já consciente do que aconteceu, começa a processar o trauma. Desengane-se quem acha que o problema está resolvido. É comum nesta fase assistirmos a episódios mais ou menos intensos de ansiedade, confusão, negação, pesadelos, tristeza, desespero e intervenções inexplicáveis que colocam a bola nos jogadores do Famalicão. Um ponto muito importante que resulta da minha pesquisa no Google: em nenhum momento a literatura sobre stress pós-traumático indica o prática de desporto de alta competição como terapêutica adequada.

Grimaldo

Proponho que a próxima festa do título se faça entre o Ferro e o Grimaldo. É mais espaçoso do que o Marquês.

Florentino

Não calçava desde Dezembro, factor que não terá ajudado o rapaz a encher o campo. Demonstrou vontade e agressividade, mas acabou por mas esteve longe de fazer o suficiente para encerrar o Grande Debate Benfiquista acerca de quais são as melhores soluções para o meio-campo, que inclui todos as opções do atual plantel, da equipa B, dois miúdos dos sub-23 e um sub-16 que aquele nosso amigo viciado em BTV garante ser o novo Camavinga.

Taarabt

A jogar pelos cotovelos desde 2019. Vai com calma, Adel, que a sorte não dura para sempre. Os outros querem ver-nos debaixo da terra, mas nós queremos subir a estátua. Não te esqueças disso.

Pizzi

E pronto. O Pizzi fartou-se das críticas acerca do seu desaparecimento quando enfrenta adversários mais fortes e resolveu eclipsar-se num jogo contra o Famalicão, não sem antes marcar um golo decisivo. Achei muito correcto da sua parte.

Cervi

Um dos melhores, como já se esperava. Devia ter-se apresentado mais cansado em virtude de uma exibição plena de génio e sacrifício no Dragão. Mas não, pareceu fresco que nem uma alface.

Rafa

Foi avistada no Estádio Municipal de Famalicão uma sombra que em tudo aparenta ser a do jogador Rafael Alexandre Silva, Rafa para os consócios. Testemunhas no local descrevem um comportamento estranho, explicando que a sombra se movimentou no terreno de jogo com a mobilidade característica do jogador em causa, acompanhada no entanto de um corpo estranho incapaz de acertar um passe.

Vinicius

Muito bem na primeira parte a assistir Pizzi. Aproveitou a segunda parte para deixar meio estádio a rir com uma imitação perfeita de Seferovic, em muito ajudada pela inacção dos colegas.

Samaris

O central da semana segundo votação da UEFA após os oitavos de final da Champions em Março de 2016 entrou para ajudar no meio-campo.

Chiquinho

Recta final endiabrada que teve apenas um problema: enquanto o Chiquinho corria para marcar, alguns dos seus colegas pareciam espera apenas pelo final do jogo. Para a próxima tem que levar um daqueles papéis com recadinhos do treinador, de preferência um que diga “ACORDEM #$%%&LHO!”

Seferovic

Eu ia escrever algo como “foi a cereja no topo do cocó”, mas sinto que devo ser superior a isso. Aguente-se. É o que temos e é com ele que vamos ser campeões.