Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

É estranho que um brasileiro de Bom Jesus das Selvas me recorde a avó Zilda, exímia preparadora de galos para cabidela (Um Azar do Kralj)

Aqui está a análise de Vasco Mendonça. Como é Carnaval, esperemos que ninguém leve a mal

Vasco Mendonça, Um Azar do Kralj

SOPA Images

Partilhar

Vlachodimos
É o Vinicius da baliza: segundo as mais credíveis fontes estatísticos, tem garantido em média 3 pontos a cada 90 minutos. Mais uma vez, como sempre acontece fora de casa, foi ajudado por uma muralha de gente que empurrou o Benfica para a vitória e com ele celebrou cada defesa como se de um golo se tratasse. Nem grego nem alemão. Esqueçam isso. Vlachodimos já pediu a tripla nacionalidade: quer ser Benfiquista do norte.

Tomás Tavares
Esqueçam o Holter de 24 horas. Bastam alguns segundos de desconcentração do Tomás Tavares para testar a nossa atividade cardíaca. Se algum cardiologista vos tentar impingir um desses exames exaustivos, digam-lhe que assistiram ao passe para o Rúben Dias aos 44 minutos. Quem sobrevive a isso tem coração para durar.

Rúben Dias
Regresso às exibições sem mácula. Incomoda de tal maneira os adeptos das equipas adversárias que só faltou pedirem amarelo quando entrou por trás sobre o Vinicius nos festejos do golo.

Ferro
Regresso natural à matéria que lhe dá nome. Poderia pensar-se que a recuperação se deveu à presença de Samaris em campo, e isso também ajudou, mas a verdade é que foi o próprio Ferro quem pegou no touro pelos cornos e fez desta a sua noite de viragem no campeonato. Não se conhecia esta tradição tauromáquica em Barcelos, mas o touro foi bem tratado e terá pedido a camisola ao forcado no final. Só mais doze finais, Francisco.

Grimaldo
Noites em que não vemos a vida a passar-nos à frente dos olhos por causa do Grimaldo são noites felizes.

Weigl
Um bom rapaz, mas ainda em adaptação. Há que dar tempo ao tempo. Há momentos na vida em que é importante pararmos, sentarmo-nos no banco de suplentes e analisarmos. Publicou um post no Instagram em que mostrava estar a aprender português. Talvez não goste do que vai ouvir.

Samaris
O Gil Vicente jogou encolhido à espera de um passo em falso, mas do lado oposto estava um grego a dizer “venham daí, amigos”. Como se isso não bastasse, também deu um arminho da sua graça na desmarcação de colegas, tendo sempre o cuidado de explicar ao colega Weigl como é que tinha conseguido executar o passe para a frente.

Pizzi
Exibição laboriosa de um jogador condenado a frustrar as expectativas dos que esperam vê-lo marcar e assistir em todos os jogos e satisfazer pontualmente a ânsia de quem o deseja ver falhar e faz dele o pior em campo nas raras ocasiões em que ele não faz o suficiente para ser o melhor. Fica-te mal, João.

Taarabt
Corria o minuto 66 quando as despesas em combustíveis, refeições e bilhetes quase se tornaram uma pechincha. Taarabt recebeu orientado rumo ao 38, fez sangue do primeiro galo que lhe apareceu à frente e falhou estrondosamente acertando na trave. Faltou um bocadinho de vinagre para a cabidela ser perfeita, mas ninguém pediu o dinheiro de volta.

Rafa
Talvez nos tenhamos entusiasmado demasiado quando Rafa regressou aos relvados e em poucos minutos decidiu um jogo. Afinal de contas, o adversário era o Sporting. Ontem pareceu um pouco apagado. Ainda assim, se tivesse que apostar, punha o dinheiro nele para quinta-feira.

Vinicius
Estranho que tenha sido um brasileiro de Bom Jesus das Selvas, Maranhão, a fazer-me recordar a minha querida avó Zilda quando degolava o galo de manhã cedo e vertia o sangue fresquinho para um recipiente. Não é por acaso que cabidela é o meu prato favorito.

Dyego Sousa
Não vou mentir. Celebrei os primeiros minutos positivos de Dyego Sousa como se tivéssemos ganho um jogo ou tivesse testado negativo para coronavírus. Quem acha que estou a exagerar poderá reconhecer o erro daqui a poucas semanas quando o nosso Dyego resolver um jogo enguiçado algures a norte do Tejo.

Cervi
Quase marcou o golo da tranquilidade, mas foi melhor assim. Nós gostamos desta intranquilidade até ao final. O futebol quer-se mesmo assim: intenso, pleno de emoção, ligeiramente aterrorizante.

Chiquinho
Vou fazer uma coisa com que sonho há anos, desde que leio desportivos. Vou começar e acabar a minha análise com um hífen: -. Pronto. Está feito.

Bruno Lage
VAMOS CA#$#%#!!!