Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

O Benfica está entregue a um piloto sem brevê e as únicas recordações de Weigl serão o diploma do 3.º lugar, um tipo a correr nu e um calhau

Vasco Mendonça, cronista da Tribuna, comentador televisivo e metade de Um Azar do Kralj está num momento particularmente sensível da sua carreira de aficionado benfiquista. É ler o que escreve a propósito dos jogadores que foram derrotados pelo Santa Clara, em casa, e também as críticas a Bruno Lage. Vasco pede, inclusivamente, a intervenção de Adel Taarabt para que leve o treinador pela mão a ver o mar à praia das Avencas

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

Vlachodimos

A culpa não foi dele, mas Vlachodimos desceu hoje à galeria dos horrores onde figuram os pouquíssimos guarda-redes do Benfica batidos por 4 vezes num só jogo do campeonato na Luz. Tem a companhia de um dos melhores que eu vi até hoje naquela posição, Michel Preud’Homme. À sua frente, no dia 16 de Março de 1997, o guarda-redes belga teve Tahar El-Khalej, Jorge Soares, Bermudez e El Hadrioui, quatro jogadores que, vendidos em conjunto ao Desportivo das Aves, não dariam para pagar uma daquelas bandeletes do Rúben Dias.

André Almeida

Há uma diferença entre essa derrota com a Salgueiros e a de hoje. Nesse dia estavam alguns milhares de pessoas no estádio, que tiveram de sofrer pelo seu amor ao Benfica. Felizmente desta vez houve uma pandemia que poupou os adeptos à humilhação. Obrigado, Covid-19. Quanto ao André, pareceu melhor jogador com o Zivkovic em campo, uma situação que só nos pode deixar deveras surpreendidos.

Ferro

Bati hoje um novo recorde pessoal de terços rezados entre uma falta cometida de forma desnecessária por um jogador do Benfica e a marcação do respectivo livre. Tenho a dizer-vos que é por estas e por outras que o ateísmo vai ganhando terreno. Não sei o que me deu, mas decidi que era boa ideia ver o lance do quarto golo em câmara lenta ao som de Andrea Bocelli e acabei a limpar o vómito dos cantos da boca.

Rúben Dias

A ele se deve um verdadeiro hino à verdade desportiva visto na Luz, e não falo apenas da justíssima vitória do Santa Clara. O lance em que o Ruben decide estupidamente tocar com a mão na bola permitiu a João Pinheiro, árbitro cujo carácter foi assassinado duas dúzias de vezes nos últimos anos, ter o seu momento de redenção ao assinalar um penálti contra o Benfica na sua própria casa. Desculpem repetir-me, mas com padres destes não admira que o ateísmo ganhe terreno.

Nuno Tavares

A confiança tem destas coisas. Por vezes catapulta-nos para níveis impensáveis; noutras ocasiões, revela a distância que nos separa da realidade, e há ainda algumas circunstâncias em que a confiança parece dar a entender que andamos a brincar com esta merda. Aquela saída a jogar seria inadmissível num gajo que chegou direto da noite para uma futebolada entre amigos. Agora imaginem num jogo em que o maior clube do mundo tem obrigação de ganhar.

Weigl

Posso estar enganado, mas começo a achar que as únicas recordações que o Weigl vai levar de Portugal são um tipo a correr nu na rua por causa dele, um diploma de terceiro classificado e um calhau.

Gabriel

O jogo com o Marítimo ainda não começou, mas eu antecipo-me já ao Goalpoint: 0% de passes falhados. Inchem. Assim está bem. Os haters dirão que essa estatística só é possível porque Gabriel está suspenso no próximo jogo. Não liguem. É gente que não sabe ver futebol.

Pizzi

Não sei quanto a vocês, mas eu estou pronto para a segunda vaga da pandemia.

Adel

A sua dívida de gratidão para com Bruno Lage é seguramente muito grande, mas não supera aquilo que o Benfica lhe pagou em salários e prémio de assinatura ao longo destes anos. Sendo assim, e porque o presidente não tem coragem de falar com o Lage, sugiro que peçam ao Adel para o levar à praia das Avencas onde poderão recordar os bons momentos passados juntos e acertar os termos da rescisão amigável.

Rafa

Rafa, se me estiveres a ler combinamos já uma coisa: só voltas a aparar a barba quando o Benfica vencer 3 jogos consecutivos.

Seferovic

Sugestão: começamos com o Dyego Sousa a titular, este recebe entre linhas e faz as coisas todas que o Lage lhe pede mesmo não marcando um único golo. Pouco depois sofremos um golo e, aí sim, colocamos o Seferovic e o Vinicius em campo. Não vale a pena alterar constantemente a ordem natural destas coisas quando finalmente se descobre uma fórmula para conquistar 3 pontos - a não ser que essa fórmula vencedora seja um mero acaso e estejamos entregues a um piloto sem brevê.

Vinicius

Tornou evidentes as fragilidades da defesa do Santa Clara e devolveu a esperança aos adeptos, contribuindo assim para mais uma vantagem enganadora no marcador. Já lhe deveriam ter explicado que o golo da vitória deve surgir sempre após o minuto 90, para que os colegas não tenham tempo de desperdiçar a vantagem. Marcar a 25 minutos do fim é simplesmente suicida.

Zivkovic

Parece a caminho da titularidade. Só precisa de mais minutos nas pernas e de um novo treinador. Já faltou mais.

Dyego Sousa

Digo-vos uma coisa, sem falsas modéstias. É preciso gostar mesmo MUITO do Benfica para estar aqui às 2 da manhã a tentar encontrar palavras que me permitam caracterizar os minutos do Dyego Sousa em campo.

Cervi

Autor do último cruzamento do Benfica durante o jogo, que acertou em cheio no Zivkovic, momentos antes do quarto golo do Santa Clara.