Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Sobre Helton Leite: os doentes vão deixar um aroma pestilento no ar enquanto arremessam a lama do sítio de onde vieram (Um Azar do Kralj)

Vasco Mendonça está moderadamente satisfeito com o resultado e a exibição do Benfica diante do Boavista (3-1), porque sabe que o que hoje corre bem, amanhã poderá correr francamente mal. Daí que evite elogiar em demasia Gabriel, o homem dos passes teleguiados. E deixa um desabafo sobre Helton Leite, o guarda-redes do Boavista

Vasco Mendonça (Um Azar do Kralj)

MB Media

Partilhar

Vlachodimos

O seu rosto de contentamento perante a vantagem de 3 golos sem resposta fez lembrar um daqueles vídeos das redes sociais em que vemos uma pessoa surda que recupera a audição ou consegue ouvir pela primeira vez. Já não nos lembrávamos da sensação prazerosa que era controlar uma partida de futebol. Foi muita comoção.

André Almeida

Esteve bem no lance do primeiro golo, permanecendo atento à jogada e aproveitando o erro de Helton Leite, um excelente guarda-redes que será agora obrigado a procurar clube noutro país ou até, quem sabe, uma nova profissão, isto não obstante ter evitado uma goleada de proporções bíblicas com algumas excelentes defesas. Os mais doentes do nosso futebol dirão que é assim que se fazem as coisas, escusando-se a explicar porque é que o Benfica não comprou os guarda-redes das partidas anteriores, deixando o suborno para uma deprimente noite de sábado semanas depois de o título ter sido entregue numa bandeja. E também não lhe chamarão suborno nem corrupção, sob pena de serem processados por difamação. Farão o que fazem sempre. Deixarão um aroma pestilento no ar e continuarão a arremessar a mesma lama de onde saíram, tentando sujar toda a gente menos os acusadores.

Rúben Dias

Exibição discreta sem grandes culpas no golo e segurança quanto baste para fazer face a um adversário mansinho. Mais meia dúzia de jogos assim e talvez o presidente consiga recuperar uma daquelas propostas de 100 milhões.

Jardel

A melhor intervenção da noite fê-la na flash interview em que dedicou meia dúzia de palavras importantes e merecidas ao mister Lage. Pena que dentro de campo não tenham sabido aplicar essas palavras, por razões que a razão desconhece.

Nuno Tavares

Segurança na defesa e 1 assistência para golo anulada, mas aqueles cruzamentos continuam a dar tesão, o que é significativo se considerarmos que a massa adepta vive um período de manifesta disfunção eréctil.

Pizzi

Seja bem aparecido, Luís Miguel! Saiu do bolso em que os últimos adversários o colocaram para aparecer novamente a marcar e a assistir. Veremos se veio para ficar, mas a jogar assim talvez consigamos evitar a humilhação de ter que ver o calendário do Sporting até ao final da época. De resto, é difícil exigir mais quando não sabemos quem é que vai dar o treino amanhã.

Weigl

Não sei se sentiram o mesmo, mas ontem vi-o falhar um passe durante a primeira parte e fiquei em estado de choque. Já não julgava possível.

Gabriel

Meia dúzia de passes teleguiados que quase nos fizeram esquecer a miséria exibicional das últimas semanas. Quase. Enfim. Continua até nos esquecermos de vez.

Cervi

Ok, enganei-me. Afinal o Nuno Tavares consegue fazer o corredor sozinho.

Chiquinho

Não pareceu padecer do stress pós-traumático que se instalou em alguns colegas nas últimas semanas. Pode tornar-se um jogador importante nesta recta final. Quem sabe não há mais jogador do que vimos até agora? Eu acredito.

Seferovic

Não sei se fica quando chegar o Pochettino. Ou o Cavalo Branco.

Vinicius

De ViniGol a ViniVar em poucos segundos, mas ainda assim melhor do que o colega suíço. Veremos qual deles nos vai desiludir no próximo jogo.

Rafa

O seu primeiro sprint no jogo vai ser submetido ao Papa Francisco para ser aprovado como milagre. Quando alguns já temiam que não voltasse a caminhar, dada a versão algo prostrada com que fomos presenteados nos Barreiros, eis que Rafa surgiu pleno de vigor mostrando que ainda terá alguns anos de futebolista profissional em si.

Samaris

Entrou para dar alguma frescura física e ajudar a segurar uma vantagem confortável, o que permitiu evitar a proverbial discussão sobre se precisamos de ter mais gajos com eles no sítio como o Samaris. Na verdade o que precisamos mesmo é de jogar mais à bola e meter a bola na baliza, conforme aconteceu ontem.

Jota

Estamos perante um caso de gestão vulgarmente denominado como “não copulas nem sais de cima”. Um dia alguém há-de explicar-nos para que raio serviu a deprimente rubrica semanal “5 minutos de Jota”. Até lá, continuamos todos - nós e o jogador - a perder tempo.

*Texto atualizado às 14h17 com novo título