Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Um Azar do Kralj

O trabalho de Vlachodimos? Passa hoje essencialmente por controlar os movimentos de Otamendi e tentar evitar o pior (por Um Azar do Kralj)

Vasco Mendonça viu o Marítimo - Benfica e propõe que no próximo ano a liga portuguesa se chame Liga Pizzi: "uma competição de qualidade mediana, emocionante a espaços, feita ainda assim à medida deste executante"

Carlos Rodrigues - UEFA/Getty

Partilhar

Vlachodimos

Com defesas assim, quem é que precisa de avançados? O trabalho de Vlachodimos passa hoje essencialmente por controlar as movimentações de Otamendi e tentar evitar o pior.

Gilberto

Se um guarda-redes for expulso e for um jogador de campo a ocupar o seu lugar, este saberá que a tarefa é difícil mas sabe também que poderá contar com a empatia e a admiração da maioria dos adeptos, que reconhecem a dificuldade extrema da missão e por isso vão encarar os eventuais erros de ânimo mais leve. O ideal é que esta passagem de Gilberto pelo Benfica seja encarada de igual forma, como alguém que foi chamado subitamente a ocupar um lugar que não lhe pertence, para o qual claramente não está preparado, mas a tentar fazer o melhor que pode e sabe. Visto assim pode até dizer-se que fez uma bela exibição.

Otamendi

Sabemos que a coisa está complicada quando um defesa central trintão, com pinta de durão, titular pela seleção argentina, mais experimentado do que quase todos os colegas, sente necessidade de ir às redes sociais pedir desculpa depois do jogo. Não sei o que será melhor: se uma passagem pelo banco de suplentes ou a continuidade a titular. Seja qual for a opção será uma penitência necessária se quiser encontrar o caminho para o coração dos benfiquistas. Neste momento o seu futebol coloca-o na zona do fígado, prestes a dar-nos uma coisinha má.

Vertonghen

Já este parece estar a apurar como se quer. Boa exibição.

Grimaldo

Vou ser simpático para com o domínio da auto-ajuda e dizer que Grimaldo divide com Evandro Mota, consultor motivacional do plantel, a responsabilidade pela recuperação psicológica de Everton. Foi a sua capacidade de ir mais além no meio-campo adversário que nos convenceu - a nós e ao Everton - de que chegaríamos inevitavelmente ao golo e à vantagem merecida. Até o meu filho de 3 anos topou que aquele cruzamento acabaria nos pés de um Pizzi. Valha-nos esta apaziguadora previsibilidade.

Gabriel

Um visionário é alguém que vê o que os outros não conseguem alcançar, até todos irem atrás dele. Esta última parte é fundamental. É aquilo que distingue a identificação do visionário de um diagnóstico de miopia. Não que tenha feito um mau jogo, mas Gabriel parece viver numa sucessão de jogos em que a cada exibição mais conseguida se sucede uma prestação desesperante. Vamos esperar que as próximas exibições não tenham de responder a nada.

Pizzi

Numa altura em que ainda não sabemos quem será o patrocinador da Liga em 2021/22, urge questionar as entidades competentes se o melhor mesmo não será chamar-lhe aquilo que esta competição efetivamente é: a Liga Pizzi. Uma competição de qualidade mediana, emocionante a espaços, feita ainda assim à medida deste executante.

Everton

Jorge Jesus é maioritariamente um tipo bom de se seguir. Sim, ontem foi desagradável com a jornalista mas isso não faz dele o diabo, e seguramente também não faz dele um tipo elegante. No entanto, sabe muito disto e ontem explicou que o Everton ainda iria proporcionar muitas alegrias aos benfiquistas e a si próprio. Acho que é muito isto. Ontem vimos um Everton um pouco mais feliz. Atenção. Não é fácil alguém parecer feliz com uma bola nos pés perante um relvado como o dos Barreiros e caceteiros como os do Marítimo. O mais provável é um indivíduo recear pela sua vida, mas não Everton. As suas intervenções no jogo não foram apenas decisivas no resultado final. Ajudaram a estabilizar a tensão arterial de muito benfiquista.

Rafa

Tem levado mais pancada neste campeonato do que Rui Rio desde que se aliou ao Chega. Lanço um repto aos árbitros: protejam os artistas. Deixem o Rafa mostrar o perfume do seu futebol e verão que as únicas associações à extrema-direita serão com Diogo Gonçalves e terão como finalidade maior o bem deste país.

Waldschmidt

Continua a fazer tudo para sobreviver à ausência da sua cara metade uruguaia. Vamos todos assumir que aqueles tropeções na bola durante a primeira parte foram de ternura.

Seferovic

Boa assistência para o Everton, mas o golo da jornada já ele tinha marcado nas redes sociais ontem de manhã quando publicou um post a anunciar que iria ajudar 10 pedidos natalícios, para além já ter oferecido presentes a crianças de vários orfanatos na região de Lisboa. Um gesto bonito de um verdadeiro campeão. Ainda assim, se eu fosse mauzinho dizia aos meus filhos para que este Natal lhe pedissem um maior número golos marcados por ocasiões criadas, mas não os quero sujeitar a essa desilusão.

Gonçalo Ramos

Jorge Jesus foi inteligente em lançá-lo neste jogo. O miúdo está habituado a futebol de segunda liga e este Marítimo parece saído do Campeonato de Portugal. Infelizmente os colegas já tinham entrado em modo serviços mínimos, esperando cá atrás pelo final do jogo enquanto o pobre Gonçalo Ramos tropeçava em pernas e pedaços de relva sozinho na frente. Merece mais minutos, sim, mas daqueles que permitem celebrar golos à pistoleiro.

Samaris

Entrou para dar alguma contenção ao meio-campo e ajudar a segurar o resultado, custasse o que custasse. No fundo, dar ao Marítimo um gostinho do seu veneno. Calha a todos.

Diogo Gonçalves

Eu não sou de intrigas, mas continua por explicar que este miúdo não seja titular no lugar do Gilberto.

Jardel

No final explicou a Otamendi que não basta usar uma touca de natação para se ser celebrado pelos benfiquistas. É preciso mais.