Tribuna Expresso

Perfil

Um Azar do Kralj

Estivemos em Moreira de Cónegos no domingo, vamos a Roma daqui a uns dias e mesmo assim sinto que estamos em Hanói (por Um Azar do Kralj)

Aí está mais uma preocupada crónica de Vasco Mendonça após novo deslize do Benfica, agora frente ao Moreirense

Vasco Mendonça (Um Azar do Kralj)

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Partilhar

Helton Leite

Eu sou do tempo em que as ideias de jogo do Jorge Jesus envolviam nota artística elevada e dinâmicas ofensivas, em vez de alterações semi-supersticiosas do guarda-redes. Neste momento parece-me que não estaríamos pior se tivéssemos continuado com o Veríssimo. Perdia-se a ocasional conferência de imprensa causadora de vergonha alheia e talvez se ganhasse alguma dignidade.

Diogo Gonçalves

Malta, não quero dramatizar, mas acho que os problemas do Benfica não se vão resolver mudando de lateral direito.

Otamendi

Esteve bem, dentro daquilo que se pode esperar de um adulto responsável durante uma tragédia. É uma sensação que nos perfura, invade. Estivemos em Moreira de Cónegos ontem, vamos a Roma daqui a uns dias e mesmo assim sinto que estamos em Hanói.

Vertonghen

Fez tudo o que lhe competia. Apareceu na área para finalizar, levou uma estalada e atirou-se para o chão como se lhe tivessem arrancado um olho. Infelizmente, este tipo de jogada estudada não parece agradar aos colegas, que mais uma vez não fizeram o que lhes competia: chorar até o VAR ser obrigado a assinalar um penalty mais do que evidente.

Grimaldo

Nem uma semana inteira passada a cheirar os colegas foi suficiente para evitar ser comido de forma infantil.

Weigl

O problema das faltas cometidas sobre o Weigl é que ele se esquece que está no campeonato português e estes toques são para assinalar. Se o próprio jogador não se lembra disso quando sofre o toque acaba por parecer um indivíduo alcoolizado que tropeçou, o que fez com que o árbitro aproveitasse a deixa para reverter uma decisão de forma errada.

Taarabt

Acho que devemos começar a lutar por outro tipo de objetivos esta época. Exemplo: conseguir que o Taarabt acerte com os braços na cara de pelo menos um adversário de cada equipa na liga. Não será fácil se continuar a acumular cartões, mas acredito que podemos chegar lá.

Rafa

Eu não sei que técnica de remate é esta em que o Rafa continua a insistir. Alguém me explica? Aquilo parece mais inspirado no Marquês de Sade do que no Jorge Jesus.

Everton

Cansados estou eu, pá.

Seferovic

A cara dele na flash quando o jornalista pergunta se o título ainda é possível somos todos nós a morrer um bocadinho por dentro.

Darwin

Às vezes perguntam-me como é que eu consigo escrever isto de 3 em 3 dias e a minha resposta é quase sempre “nem eu sei”. Já pensei duas dúzias de vezes em desistir destes textos, que escrevo mais por hábito do que por necessidade. Mas na verdade eu sei porque é que os escrevo: a receita depende tanto de mim quanto dos jogos em si. Cada jogo é uma oportunidade para descobrir qualquer coisa nova acerca de um jogador, um talento escondido, uma característica em que ainda não tinha reparado ou um acontecimento do jogo que se torna a história toda. Cada jogo é também uma oportunidade para renovar a esperança no jogador ou na equipa, recuperando a ingenuidade do início do jogo em que tudo é possível, ou, por outra, mais uma confirmação de que talvez esteja na hora de parar com estes textos sob pena de serem maus para o meu fígado e, provavelmente, para quem os lê. Estou indeciso.

Pizzi

Há uma linha muito ténue entre a celebração de uma vitória arrancada a ferros com um penalty do Pizzi e a manhã de ressaca que eu estou a ter. Não sei quantas mais ressacas aguento.

Waldschmidt

Tentou agitar as águas, mas parece estar naquela fase da carreira vulgarmente conhecida como “SOCORRO, MUDEM DE TREINADOR PARA EU VOLTAR A JOGAR O QUE SEI”.

Pedrinho

Na cabeça do mister terá entrado a meia hora do final. Porra, como é que viemos aqui parar?