Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Um Azar do Kralj

Não sei exatamente quem fez o quê ou porque o fez a Pizzi, mas peço encarecidamente ao responsável que continue. Pelo Benfica e por nós

Vasco Mendonça não podia deixar de referir-se à celebração de Pizzi e ao abraço demorado que deu a Rui Costa quando marcou o golo. Além da análise ao médio, o curador deste texto recomenda vivamente que se passem os olhos pelas análises a Diogo Gonçalves, Weigl e Seferovic

Vasco Mendonça (Um Azar do Kralj)

Um pedaço de Benfica: Luisão, Rui Costa e Pizzi

Gualter Fatia

Partilhar

Helton Leite
Na teoria original uma borboleta bate as suas asas no Japão e arma um chavascal nos Estados Unidos. A teoria do caos benfiquista também é bonita: um guarda-redes brasileiro bate as asas numa baliza e impede que o Rio Ave vá para o intervalo a ganhar, e minutos depois um centrocampista de Bragança celebra enraivecido a sua vitória perante os demónios que o atormentam, a ele e a um clube inteiro. Tanto que deixou de parecer caos e pareceu, por momentos, haver alguma ordem. Até dormi melhor, amigos.

Diogo Gonçalves
Nunca se esqueçam disto. Existem registos na internet de pessoas que duvidaram do valor do Kimmich quando ele se estreou no Bayern em 2015. Não estou com isto a dizer que estamos perante um novo Kimmich, mas também não estou a negar essa possibilidade. Neste momento o mais importante é desfrutarmos desta dádiva que é termos um lateral direito que consegue ganhar a linha e fazer cruzamentos. Amanhã logo se vê.

Lucas Veríssimo
Não me parece que Jorge Jesus estivesse a pensar utilizar o novo reforço, que tremeu que nem varas verdes contra o Arsenal. Porém, a vida não é aquilo que queremos. Às vezes é preciso fazer limonada com um Lucas Verdíssimo, antes que nos calhe um Morato em sorte e a limonada azede ainda mais.

Jardel
A Netflix já comprou os direitos de “90 minutos em campo”, o documentário que retrata o regresso de Jardel aos relvados para um jogo completo frente ao Rio Ave após 437 lesões musculares.

Grimaldo
Já o disse e repito: quase todas as sequências de decisões acertadas no ataque do Benfica envolvem o Grimaldo e espanta-me que algumas celebrações de golo iniciados pelo flanco esquerdo não comecem com uma vénia ao Alejandro. Que a súbita paixão pelo lateral do lado oposto não nos faça esquecer o primeiro amor e as coisas boas que este espanhol nos tem dado.

Weigl
Uma andorinha pode não fazer a primavera, mas este Julian leva-me a acreditar novamente em dias de sol, passarinhos a chilrear, a águia Vitória a planar sobre nós e as bancadas cheias ao fim da tarde, com os raios de sol a entrarem pelos topos da bancada como um remate fulminante do Seferovic a furar as redes. Agora exagerei um bocadinho.

Everton
Este homem tem que começar a gravar aqueles vídeos em que se contabiliza o número de vezes que o craque consegue acertar nos postes ou na trave. Suspeito que temos aqui um novo fenómeno mundial. Mostrou laivos de fenómeno à escala nacional com mais algumas intervenções que desbloquearam o jogo. Fez aquilo que se espera dele, sem tirar nem pôr. Os americanos têm uma expressão para estas circunstâncias: fucking finally!

Taarabt
Alguma profundidade no passe, poucas intervenções causadoras de taquicardia, e talvez demasiada fé em Seferovic na questão do último passe. A sua intenção é sempre boa, mas saiu mesmo a tempo.

Rafa
Não era a noite dele, por isso permitam-me usar este espacinho que devia ser dedicado ao Rafa para falar sobre ele e sobre os restantes. Alguém me explica poor que raio é que esta gente não tem energia e indignação para rodear o árbitro e pedir penáltis quando os nossos jogadores caem na área? Levamos amarelos semanalmente porque o Taarabt tem uma espécie de reação involuntária com os braços, mas temos medo de ser penalizados pelo árbitro porque exigimos um mísero penálti neste campeonato? Vejam lá isso, rapazes.

Waldschmidt
Que ele tem pezinhos ninguém discute, mas parece faltar-lhe aquilo a que na gíria futebolística se chama tesão. O dicionário define o termo como intensidade, força, ímpeto ou ereção do pénis. Bastam as três primeiras qualidades para ser titular do Benfica.

Seferovic
Por um lado temos que lhe agradecer porque foi ele que desbloqueou o empate. Por outro, temos que o insultar com gentileza já que o empate permaneceu enquanto ele foi falhando golos. É quase sempre assim com o nosso amigo, mas um gajo difcilmente se habitua. É que isto é o Benfica, Haris.

Pizzi
Não sei exatamente o quê, quem ou porque é que ele celebrou o golo com tamanha irritação, mas peço encarecidamente ao responsável que continue. Pelo Benfica e pelo próprio Pizzi, que precisava daquele momento como de um abraço do Rui. Não está sozinho. Andamos todos a precisar de um abraço depois do que se tem visto esta época.

Chiquinho
Entrou com ganas de aparecer na frente em zonas de decisão. No final o Rui Costa disse-lhe que gostou do que viu, mas que se quiser um abraço basta pedir.

Cervi
Desta vez jogou um quarto de hora. O mister lá reparou o relógio.

Gilberto
Cumpriu com o profissionalismo de quem sabe que está a uns meses de ver o André Almeida regressar e começar à procura de clube no Brasil. Até lá, força Gilberto!

Gabriel
Por esta altura já eu abria uma garrafa de vinho para celebrar, não ainda a vitória, mas o simples facto de termos uma vantagem de dois golos a 5 minutos do final. A vida são dois dias e o Benfica não ganha sempre. Celebremos enquanto cá estamos, se possível na frente do marcador.