Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Um Azar do Kralj

Taarabt: acertar na cara uma vez, é descuido; acertar duas, é mania estranha; três, é do foro clínico. Não sei se a estrutura está atenta

Mas nem tudo é mau: há um antídoto para o Benfica 2020/21 e chama-se Diogo Gonçalves. A cada investida sua no ataque, é como se todos os manuais de auto-ajuda se concentrassem naquele pé direito e nos dissessem: sim, é possível voltar a amar. Por Vasco Mendonça

Vasco Mendonça (Um Azar do Kralj)

Quality Sport Images

Partilhar

Helton Leite
90 minutos sem nada para fazer, longe dos filhos e do rebuliço impagável da vida em confinamento. Que inveja, Helton.

Diogo Gonçalves
Sabem aquela espécie de angústia que invadiu cada milímetro do vosso corpo nos últimos meses quando viam o Benfica a fazer merda em campo? Parecia impossível, mas há um antídoto para o Benfica 2020/21 e chama-se Diogo Gonçalves. A cada investida sua no ataque, é como se todos os manuais de auto-ajuda se concentrassem naquele pé direito e nos dissessem: sim, é possível voltar a amar. Sim, é possível voltarmos a ser felizes. Não tenhamos medo do futuro. É possível que o Seferovic falhe metade das ocasiões criadas, mas aprendamos a viver com otimismo. O melhor está para vir.

Otamendi
Disseram-me que tivesse cuidado com um tal de Elis, avançado possante internacional pela seleção das Honduras. Otamendi encarou o desafio com seriedade, pois ainda se lembrava do adversário da primeira volta, num jogo em que o Boavista pareceu candidato ao título e Otamendi parecera o próximo cliente das residências assistidas do Hospital da Luz. Essa memória esteve bem presente no relvado e permitiu a Otamendi continuar o seu caminho na direção dos braços dos adeptos da Luz, com quem celebrará o primeiro golo após a reabertura do estádio. Depois apanhamos covid e voltamos todos para casa, mas vai valer a pena.

Lucas Veríssimo
Não só temos um central que começa a parecer em casa como ganhámos um ponta de lança para as ocasiões. Tem que treinar mais com o Seferovic para ver se este aprende a cabecear. Nessa altura veremos se o futebol mundial está preparado para um avançado suíço que marca 100 golos por época.

Grimaldo
Nunca pensou que este dia chegasse. É agora o segundo lateral preferido dos benfiquistas. Façamos por lhe transmitir algum carinho para que não se sinta abandonado.

Weigl
Nunca pensei que o termo “processos simples” me pudesse provocar pele de galinha, mas é isso que o Julian tem conseguido repetidamente esta época. Num tempo em que tudo parece complicado e sem fim à vista, ter alguém que realiza as suas tarefas de forma competente e sem queixas aparentes é um bálsamo. Eu não conseguiria.

Taarabt
Se alguém acerta uma vez com a mão na cara de um adversário, isso é um descuido. Se o faz duas vezes em dois jogos, é uma mania estranha. Se o faz a cada 3 dias, já me parece uma situação do foro clínico. Não sei se a estrutura tem quem trate destes temas, mas deviam pensar nisso.

Rafa
Apesar de pouco inspirado, sempre que a bola chega aos pés dele o benfiquista sente que tudo é possível, excepto o próprio Rafa marcar golo.

Waldschmidt
Começo a ficar um bocadinho farto destes alemães bem formados. Faz uma recepção deliciosa e complementa com um penalty mal cavado. Devia ter feito melhor.

Seferovic
À medida que as assistências do ataque do Benfica melhoram em quantidade e qualidade, a pressão aumenta para Seferovic, que por este andar terá de marcar pelo menos mais uns 30 golos até final da época para deixar toda a gente satisfeita. Ontem só não fez um hat-trick porque o VAR já tinha bebido um copito e traçou mal a linha. Felizmente eu sou um adepto civilizado, senão era o talho do Manuel Mota que pagava a fatura.

Pizzi
É uma espécie de lay-off à Benfica. Trabalha uma parte do tempo, faz mais ou menos o que lhe é pedido, recebe o salário por inteiro e mantém intactos os seus direitos. Há vidas piores, Luís Miguel.

Pedrinho
Jogou contra 10, titular numa equipa com aquela pressão dos matematicamente despromovidos, e mesmo assim pareceu sempre meio acossado. Não sei se tem mãozinhas para esta guitarra.

Gabriel
O tempo parece parar de cada vez que ele passa a bola. Os colegas acompanham a trajetória como se Gabriel tivesse atirado um seixo na direcção da água e todos admirassem a sua projeção, os sucessivos saltos a cada contacto com a água, até que o raio do calhau vá parar novamente ao fundo do lago. É fascinante.

Everton
Há-de chegar o momento de aceitar que talvez o Everton idealizado não seja o Everton a que podemos verdadeiramente aspirar. Por agora, continuarei a dizer que espero sempre mais dele, apesar de um belíssimo cruzamento para o Veríssimo no lance do golo anulado.

Darwin
Talvez devêssemos testar terapias alternativas para esta crise de confiança. Mandava-o 2 semanas para a herdade do Gustavo Santos no Alentejo. Vinha de lá novo.

Chiquinho
Continua a fazer o caminho das pedras rumo ao golo da vitória no prolongamento da final da Taça.